Todos contra Dilma no debate da Record

-->ELEIÇÕES 2010-->Leandr o Mazzini-->BRASÍLIA-->O d e bate da Recor d neste do- mingo à noite f oi o mais pr o v o - cati v o entr e os quatr o principais candidatos à Pr esidência da Re- pública, e a petista Dilma Rous- seff f oi a mais atacada. J osé Serr a (PSDB) mir ou Dilma, e vice-v er- sa, embor a a candidata petista e vitasse confr ontar o tucano; e Plínio de Arruda (PSOL) f ocou Marina Silv a (PV), tentando des- construir sua imagem de elo- quente – embor a Plínio tenha des- tilado todo o seu já conhecido v eneno contr a os três. O socialista le v antou dúvidas sobr e a competência de gestão de Dilma, que, por sua v ez, atacou Serr a por ele usar imagens e até citar o pr esidente Luiz Inácio Lu- la da Silv a em seu pr o g r ama de TV . Serr a, nos contr a-ataques em momentos distintos, v oltou a cri- ticar o go v erno que a petista r e - pr esenta. Acusou a f alta de pr o - fissionalismo na esfer a feder al, nos ministérios e agências, lem - br ando também o loteamento de car gos. Dilma o acusou de pr o v ocar o r acionamento de ener gia na gestão F ernando Henrique Car doso , de quem f oi ministr o de Planejamento . Mais uma v ez, o caso Er enice Guerr a, com “fisiolo gismo e trá - fico de influência”, citados por Marina Silv a, f oi o assunto que atormentou Dilma – também lembr ado por Serr a e Plínio . Já no ter ceir o bloco do de bate, o clima de tensão er a tão e vidente que, ao ser empar edada por Ma- rina sobr e o caso Er enice e a f alta de punição , a candidata petista r e v elou que f ará, se eleita, a mes- ma coisa que Marina fez como então ministr a do Meio Ambiente da gestão de Lula, quando f or am flag r a dos funcionários en v olvi- dos em v enda de madeir a. Mais uma v ez J osé Serr a e vitou e v ocar a figur a de FHC, pr o v ocado por D i l m a . A pesar de ter lembr ado que na gestão do e x-pr esidente nasceu o Bolsa F amília em f or - ma de outr as “bolsas”. Outr a pala vr a que permeou o de bate f oi corrupção . A ponto de Plí - nio , no segundo bloco , comen - tar: “ Aqui está todo m undo mais ou menos ligado à corrupção”, soltou, calmo . “Nós (PSOL) não temos corrupção , saímos do PT por causa da corrupção”. Desta v ez, como nas outr as, o algoz dos candidatos f oi Plínio de Arruda. Chegou a c hamar Marina de demago ga e Dilma d e “can- didata f a bricada”. Em nenhum momento houv e bate boca entr e os quatr o , e o sangue frio dos de batedor es se sobr epôs aos ner- v os. Leia alguns tr ec hos.-->José Serra-->– A minha intenção é f ortalecer o Bolsa F amília. O Bolsa F amília f oi uma junção das bolsas do go- v erno de FHC. F oi uma contin ui- dade daquilo que fiz emos. Pr o- ponho r eajustar o salário par a 600 e duplicar o r eajuste dos apo- sentados e pensionistas. – T em um fenômeno hoje de ter ceirização , inclusi v e na P etr o- br as. T enho r eclamações de sin- dicalistas, pelo númer o de em- pr egos pr ecários. T emos que ter empr esas públicas sólidas. – A A n visa f o i totalmente lo- teada, tem g rupo de senador es que nomeia. O que é isso , é v ender dificuldade? T odos os planos de saúde estão a bandonados, 20% a mais que a inflação .-->Dilma Roussef f-->– C on vi v er com o pr esidente Lula me fez uma pessoa melhor . Nosso go v erno que br ou vários ta- bus. Milhões de br asileir os saí- r a m da miséria. Não tenho pr o- jeto pessoal. Quer o r ealizar o so- nho dos br asileir os. – N inguém está acima d e qual- quer suspeita. Se as pessoas co- metem maus feitos, elas vão pa- gar por isso , mas antes de pagar , tem que ha v er apur ação dos f atos. Sem sobr a de dúvida, se eu f or eleita, e o go v erno não concluir a apur ação , tanto do caso da Re- ceita, quanto da Casa Ci vil, v ou in v estigar até o fim.-->Marina Silva-->– Desde o início me pr opus a de bater o Br asil, o que inter essa na saúde, na educação , na infr aes- trutur a, e sem pegadinhas, e é por isso que a sociedade tem se iden- tificado com nosso pr ojeto . T enho per ce bido uma v er dadeir a onda v er de que quer o segundo turno . – Ac ho m uito difícil a gente tr a balhar a ideia de r otular as pessoas. É u ma f orma p r econcei- tuosa de não de bater o mérito das pessoas. E quando digo que quer o ple biscito na questão da maco- nha, do a borto , é por que confio na opinião pública, que en v olv e questões mor ais. Existem aque- les que quer em tr ansferir apenas par a o Cong r esso .-->Plínio de Arr uda-->– Ac ho uma ingen uidade do Lu--->O gover no brasileir o tem se apr oximado de r egimes que perseguem mulher es, que enfor cam opositor es, que pr endem jor nalistas, e que claramente estão na cor rida pela bomba atômicaJosé Ser ra-->“-->Sou favorável a fazer car gos de car r eira não só nas agências mas também nos ministérios. Um dos motivos por que o país passou por racionamento de ener gia foi pela falta de planejamento, e o senhor era ministr o do PlanejamentoDilma Roussef f-->“-->Em nome dos ganhos não podemos ser complacentes com os er r os. T emos a questão dos jovens, a baixa empr egabilidade. Eles per cebem que a vida dos pais melhor ou, mas as suas vidas continuam muito difícil, sem expectativaMarina Silva-->“-->Dilma, a cor r upção bateu na sala do lado. Ou você é conivente, ou é incompetente. V ocê vai ter que nomear muita gente, não sei se está pr eparada para issoPlinio de Ar r uda-->“-->la de mediar no Irã, no Haiti, no Oriente Médio . Isso é v aidade. O Celso Furtado dizia que os br a- sileir os têm que entender as suas possibilidades e as suas limita- ções. Isso é fundamental na di- plomacia br asileir a. – Dilma, a corrupção bateu na sala do lado . Ou v ocê é coni v ente, ou é incompetente. A corrupção bateu à porta da Casa Ci vil duas v e z es, e até agor a não se viu cul- pado . V ocê v ai ter que nomear m uita gente, não sei se está pr e- par ada par a isso .-->Denúncias de corr upção, loteamento, comparação de governos e ir onias dominaram os temas