Artigo de Drauzio Varella na 'Folha' se alinha com editoriais já publicados pelo 'JB'

O Jornal do Brasil reproduz, a seguir, artigo do médico Drauzio Varella publicado na Folha de S. Paulo no último dia 9. O texto traz o mesmo sentido e sentimento do editoriais publicados no JB nos últimos meses, com objetivo de mostrar que os criminosos são distintos: os ricos e os pobres.

"Justiça à brasileira

Como é cautelosa a Justiça brasileira. Dá orgulho na gente.

Garante o direito de defesa em tal medida que o acusado com bons advogados permanece em liberdade durante anos. São tantos os recursos jurídicos que o cidadão muitas vezes morre antes de a sentença transitar em julgado.

Assaltantes enriquecidos com verbas públicas depositadas na Suíça e em outros paraísos que asseguram o bem-estar de seus cidadãos graças à receptação de dinheiro roubado podem se livrar da cadeia com a maior facilidade.

Organizados em quadrilhas, esses meliantes são considerados inocentes até que alguém prove o contrário. Não é bonito? Não importa se as investigações descobriram milhões de dólares em contas secretas; não vem ao caso se moram em residências nababescas, guardam na garagem carros importados a peso de ouro, tomam vinhos que custam os olhos da cara ou se hospedam no Ritz de Paris com o salário de servidores públicos.

A preocupação obsessiva com eventuais erros judiciários coloca à disposição desses criminosos um arsenal de ferramentas que lhes dá acesso imediato a habeas corpus, tornozeleiras eletrônicas, prisão domiciliar em mansões, delações premiadas e ao foro privilegiado, o sonho de todo bandido. Para eles, a ladroagem mais descarada recebe o nome de "malfeito".(...)"

>> Veja aqui, na íntegra, o artigo de Drauzio Varella

Veja editorias do JB com a mesma linha de pensamento:

>> Os ladrões da Lava Jato e os ladrões das favelas: duas realidades, dois destinos

>> As mordomias dos delinquentes e o sofrimento do povo desempregado

>> Corruptos e corruptores fazem acordos e voltam para as suas casas bilionárias. E o povo?

>> Imagem da elite criminosa repercute nas comunidades desempregadas como exemplo à criminalidade

>> Opinião 'JB': Os aproveitadores da delação premiada

>> Cavendish não merecia tornozeleira, e sim bolas de ferro nas pernas