Apesar do recesso, situação de Cunha pode se complicar ainda mais

Mesmo com o recesso no Supremo Tribunal Federal, a situação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, pode se complicar ainda mais. 

Apesar de o ministro Teori Zavaski ter afirmado que o pedido de afastamento de Cunha só será analisado em fevereiro, com a documentação nova que o Ministério Público recebeu da Suíça - com detalhes de contas bancárias no exterior - o procurador-geral Rodrigo Janot, preocupado que o tempo possa atrapalhar suas investigações, pode solicitar urgência no pedido de afastamento.