Por que arrochar PJs e deixar bancos, cada vez mais ricos, livres de impostos?

A revisão do imposto para Pessoas Jurídicas (PJs) anunciada pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tem como argumento o fato de atualmente estes trabalhadores serem tributados em 4% ou 5%, enquanto que os com carteira de trabalho recolhem IR com alíquotas entre 7,5% e 27,5%.

Mas a discrepância que chama mesmo a atenção é a dos impostos sobre os cidadãos e os lucros, a cada ano maiores, obtidos pelas instituições financeiras. Se o governo quer fazer um pacote para aumentar a arrecadação, com meta de acrescentar R$ 20,6 bilhões aos cofres públicos, por que também arrochar justamente o lado mais fraco, e deixar intocáveis aqueles que acumulam, ano após ano, recordes de lucro? O ministro Joaquim Levy deveria, sim, criar um imposto para os bancos. Está na hora de partir deles o sacrifício.