A nebulosa operação de recolhimento de assinaturas para criação de partidos

Enquanto Marina Silva luta contra morosidade, 'Solidariedade' de Paulinho da Força enfrenta acusação

O recolhimento de assinaturas para a formação de partidos está se revelando uma operação nebulosa e obscura no Brasil. Enquanto Marina Silva enfrenta dificuldades para emplacar seu Rede Sustentabilidade, como revelou o Jornal do Brasil em reportagem semana passada,  chefes de cartórios eleitorais da Grande São Paulo acusam o Solidariedade - novo partido organizado pelo deputado Paulo Pereira de Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força - de falsificar suas assinaturas para aumentar a lista de apoio apresentadas à Justiça Eleitoral.

A ex-senadora Marina Silva denunciou que cartórios eleitorais estão sendo morosos na certificação  das assinaturas para a criação do Rede Sustentabilidade. Marina alega que, como vários cartórios tem em seus quadros funcionários cedidos por prefeituras, há uma lentidão proposital com relação ao processo de verificação da autenticidade das assinaturas. Vale lembrar que o prazo final para apresentações das assinaturas é 5 de outubro. 

“A denúncia feita por Marina se baseou no fato de que 95 mil assinaturas encaminhadas a esses cartórios foram devolvidas sem fundamentação e isso não pode acontecer porque significa uma devolução sem nenhum parecer”, afirma o deputado Miro Teixeira que está colaborando com a criação do partido. Segundo ele, no caso das assinaturas rejeitadas, os cartórios deveriam se manifestar alegando o motivo da não aceitação, o que não ocorreu.

>> Veja aqui a reportagem do JB

Por outro lado, enquanto não se esclarece o que acontece no processo de criação do Rede Sustentabilidade, proliferam assinaturas falsificadas para a criação do Solidariedade. De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, haveria centenas de assinaturas grosseiramente falsificadas, inclusive a de um dos chefes de cartório eleitoral em Osasco. O Ministério Público Eleitoral pediu que a Polícia Federal abra inquérito para apurar o caso.