Investidores otimistas com a expectativa de acordo nos EUA

Obama terá encontro com parlamentares republicanos

Abertura de MercadoO maior apetite ao risco verificado no início dessa quinta-feira, 10 de outubro, deve-se as indicações de que um acordo possa ser alcançado na primeira reunião do presidente Obama, com parlamentares republicanos, desde o início do impasse orçamentário do governo dos EUA há 10 dias. Além da paralisação, eles devem discutir alternativas para elevação do teto da dívida, cujo prazo final se encerra daqui a uma semana (dia 17/10). O republicano e presidente do Comitê de Orçamento da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, delineou um plano a outros conservadores para estender o limite de endividamento dos EUA em quatro a seis semanas, levando em conta um quadro mais amplo de negociações sobre a redução do déficit. Quanto maior a redução de gastos que as negociações conseguirem, maior será a próxima extensão do teto da dívida. O futuro do S&P 500 subia 0,91%.

No mercado externo, entre os indicadores, está prevista a divulgação dos pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA. Na Europa, o Banco Central da Inglaterra (BoE) anunciou a decisão de política monetária cedo, mantendo a taxa básica de juros em 0,5% e o programa de compra de ativos em 375 bilhões de libras.

As principais bolsas europeias operam em alta, seguindo a tendência dos futuros nos EUA. A Bolsa de Paris ganhava 1,51% e Frankfurt subia 1,32%. O euro, contudo, estava praticamente estável. Londres subia 1,02%.

A produção industrial da França cresceu 0,2% em agosto ante julho, puxada pela atividade de automóveis. O resultado, porém, ficou abaixo da alta de 0,6% prevista. Na Itália, a produção da indústria caiu 0,3%, no mesmo período, contrariando a projeção de um avanço de 0,6%.

No Brasil, o Copom confirmou as expectativas e elevou ontem a Selic em 0,50 ponto porcentual, para 9,50% ao ano. O Comitê manteve o comunicado das três decisões anteriores, o que foi interpretado como um sinal de que o juro básico deverá ter novo ajuste dessa magnitude na reunião de novembro, alcançando 10% até o fim de 2013. A repetição do ritmo e do texto utilizados em agosto deve determinar correção das taxas de curto prazo no mercado futuro de juros.

Ainda no mercado doméstico, a primeira prévia do IGP-M de outubro mostrou taxa de inflação de 0,85%, próxima a mediana de 0,84%. Na sequência, o IBGE informa os números da pesquisa industrial de emprego e salário em agosto.

Em meio a este cenário, o Ibovespa deve mostrar um viés mais positivo na abertura da sessão, acompanhando a tendência das principais bolsas internacionais e o fluxo de notícias advindas dos EUA. As 9h, o Ibovespa futuro mostrava alta de 0,83%.

Desejamos Bom Dia a todos e Bons Negócios!

*José Cataldo é estrategista da corretora Ágora