EUA segue no foco, apesar da agenda forte no Brasil

Abertura de Mercado Nesta quarta-feira, 09 de outubro, a agenda econômica no Brasil está carregada de eventos e indicadores relevantes: o destaque está reservado para o fim do dia, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) deve elevar a taxa básica de juros pela quinta vez consecutiva, em outro 0,50 ponto porcentual. A expectativa é maior para o comunicado que seguirá a decisão, dado que existe consenso na magnitude do aumento da taxa, e o marcado está mais preocupado com os próximos passos da política monetária.

No início do dia, os investidores podem calibrar suas apostas, com a divulgação do dado de setembro do IPCA. A inflação acelerou em setembro ante a taxa de agosto, pressionada por Transportes, e ficou em +0,35%, em linha com a mediana das projeções, de 0,35. O IPCA-15 de setembro foi de 0,27% do e o índice fechado de agosto 0,24%. O índice ficou em 5,86% nos últimos 12 meses até setembro, também em linha com as estimativas do mercado.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação da cidade de São Paulo, subiu 0,29% na primeira quadrissemana de outubro. No fechamento de setembro, havia apresentado avanço de 0,25% e, na primeira medição de setembro, +0,21%. O resultado ficou em linha com a mediana das projeções (0,29%).

Mas é uma notícia divulgada na noite de ontem nos EUA que movimenta os mercados financeiros desde cedo. Em meio ao impasse orçamentário no país e a proximidade do prazo para elevação do teto da dívida, a Casa Branca confirmou para hoje, às 16 horas, o anúncio de que a atual vice-presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, irá assumir o comando do Banco Central norte-americano ao final do mandato de Ben Bernanke, em janeiro de 2014.

A nomeação de Yellen indica que dificilmente haverá mudanças bruscas na condução da política monetária vigente nos EUA, o que alimenta o apetite ao risco entre as bolsas, que exibiram ganhos na Ásia e também mostram viés positivo na Europa, impactando positivamente também os futuros nos EUA. O dólar também ganha terreno ante o iene e o euro, mas oscila em relação a algumas moedas emergentes. O petróleo oscila com alta dos estoques nos EUA.

Antes do anúncio oficial de Obama sobre a sucessão no Fed, as atenções se voltam para a divulgação da ata da reunião de setembro do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), que surpreendeu os agentes financeiros com a manutenção dos estímulos econômicos aos EUA.

Na Europa, a produção industrial alemã teve uma expansão maior que a esperada em agosto, de 1,4% ante julho. A produção industrial do Reino Unido teve uma queda inesperada em agosto, de 1,1% ante julho, no maior tombo mensal desde setembro do ano passado.

Na Bovespa, o índice futuro mostra tendência de abertura com variação positiva, ao registrar alta de 0,5%, e tendo como direcionadores o fluxo de notícias no mercado internacional e, também a leitura dos dados de inflação e expectativas com a decisão do Copom a noite.

Desejamos Bom Dia a todos e Bons Negócios!

*José Cataldo é estrategista da Ágora Corretora