Abertura de Mercado - Cautela com impasse nos EUA

Bolsas nos Estados Unidos podem abrir em baixa 

No primeiro dia de paralisação parcial do governo dos EUA, o Senado voltou a rejeitar três pacotes de gastos propostos pelos republicanos da Câmara. Soma-se a isto, o voto contra a tentativa dos republicanos de estabelecer negociações formais para reverter o impasse e fazer mudanças no programa de reforma do sistema de saúde (aprovada em 2010), incluindo o adiamento de um ano da exigência para que os cidadãos adquiram o plano de saúde. Não existem, por enquanto, sinais de que republicanos ou democratas vão recuar em seus posicionamentos para resolver o impasse.

Os índices futuros das Bolsas dos EUA apontam para uma abertura em baixa, refletindo o pessimismo com o impasse político no país. O petróleo cai, antes de estoques nos EUA. O dólar recua ante o iene e ante o euro nesta manhã.

As principais bolsas europeias operavam em queda nesta manhã, com os investidores realizando lucros e repercutindo tensões políticas nos EUA e na Itália. Ainda no exterior, as atenções se voltam para o anúncio da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE). Conforme esperado pelo mercado, o BCE manteve inalterada em 0,5% ao ano sua taxa básica de juros. Às 9h30, o presidente da instituição, Mario Draghi, concede entrevista coletiva.

Nos Estados Unidos, destaque para o discurso do presidente do Fed, Ben Bernanke, na abertura de uma conferência bancária, às 16h30. Outro evento de relevo no país é a reunião do presidente, Barack Obama, com executivos de bancos para discutir questões orçamentárias. Entre os indicadores, a divulgação da pesquisa ADP sobre a criação de empregos no setor privado norte-americano em setembro deve atrair a atenção dos investidores. Às 10h45, será conhecido o índice ISM de condições empresariais de Nova York no mês passado e, às 11h30, será a vez dos estoques semanais de petróleo bruto e derivados.

No Brasil, o destaque da agenda econômica é o resultado da produção industrial brasileira em agosto, do IBGE. O dado ficou estável em agosto em relação à julho, abaixo da mediana das projeções de +0,2%. No confronto com agosto de 2012, a produção industrial mostrou queda de 1,2% (mediana das projeções era -0,6%). Ainda na agenda doméstica, às 12h30, o Banco Central informa os dados semanais do fluxo cambial.

A inflação na cidade de São Paulo, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC), subiu 0,25% em setembro, de +0,22% em agosto, de acordo com a Fipe. O resultado ficou em linha com a mediana estimada, de 0,25%. Até o mês de setembro, o IPC-Fipe acumula altas de 2,24% no ano e de 4,57% em 12 meses.

A Bolsa de Tóquio fechou em queda de 2,2%, na maior perda porcentual desde 20 de agosto e retrocedendo ao nível mais baixo desde o dia 6 de setembro. A Bolsa de Hong Kong subiu 0,6%. Os mercados na China permanecem fechados devido a feriado nacional.

A leitura do dado de produção industrial e o viés negativo das principais bolsas externas devem ser direcionadores importantes da tendência da Bovespa nesta quarta-feira. As 9h05, o Ibovespa futuro sinalizava queda de 0,42%.

Desejamos Bom Dia a todos e Bons Negócios!

*José Cataldo é estrategista da Ágora Corretora