Homenagem a Stuart Angel

Estava em casa, enlouquecida, arrumando as minhas gavetas, quando o Luiz Sergio Lima e Silva me ligou dizendo que ia ter um evento organizado pelo secretário Estadual de Educação, Wilson Risolia, que resolveu aumentar o tamanho e trocar o nome de uma escola , em Senador Camará, que se chama agora Escola Stuart Angel E o mais incrível de tudo isso é que a escola bonita e moderna, fica defronte ao local onde o Stuart,  irmão da Hilde, foi torturado e morto, em 1971, na época da ditadura.

Éramos 100 convidados que lotamos três ônibus alugados para o evento, com ar refrigerado e muita gente conhecida, como Pedro Grossi, Cidinha Campos, atores e diretores de teatro e muitos outros que, sentados no auditório, ouviram a Hilde contar a história de sua família torturada e morta: não só o seu irmão Stuart, como sua mãe, a maravilhosa estilista Zuzu Angel. Como é que alguém, como a Hilde, pode segurar uma onda dessas? Pra mim, ela é uma das pessoas mais fortes e batalhadoras que existe no mundo e admiro tudo o que ela faz.

Eu estava em Paris, com meu marido exilado, Marcos Medeiros, na época da morte do Stuart, e o pessoal que lá se encontrava sofreu mais este ataque pensando novamente que providencias impossíveis se tomar, alem de chorar a morte de mais um herói que lutava pela pátria assim como sua mãe e cunhada, (que também foi torturada e morta.)

Mas, voltando a Senador Camará, depois da palestra da Hilde foi servido um café, na sala, com docinhos e sanduíches e encontrei algumas pessoas que não via há muitos anos.

Agora o mundo mudou demais! Ameaçam de morte a cubana Yoani Sanchez, porque quer ter liberdade na sua ilha maravilhosa, mas que desde o período da ditadura aqui no Brasil que continuam os mesmos no governo de Cuba, o que acho um absurdo. Aprecio tudo o que o Fidel fez, mas até o Papa renunciou ao seu mandato no Vaticano pois não se sentia à vontade com o que estava se passando na Igreja, e os políticos querem morrer agarrados aos seus cargos sem liberar as necessidades do seu povo. Ainda bem que já podem viajar, sair do país, o que era impossível antes.

O ideal, na verdade, seria que o mundo inteiro tivesse os mesmos direitos, como se fosse um país só e todos lutassem por ele, salvando as pessoas em vez de mata-las .

Por isso, quando algumas delas se unem para homenagear o Stuart, por exemplo, quarenta e dois anos depois de seu assassinato, e ainda aproveitam o público reunido para chama-los para participar do Movimento Verde que quer fazer do morro defronte à igreja um lugar de cultura e lazer para a comunidade de Senador Camará, acho que os estudantes daquela época começaram a conseguir o que queriam, embora ainda falte muito mesmo quarenta anos depois.

Então, voltamos pra casa, contentes, nos ônibus fresquinhos, com as camisetas vermelhas que colocamos para homenagear o Stuart, criadas pelo Instituto Zuzú Angel e confeccionadas por Toninho Vieira, num papo gostoso com gente que não se encontrava há anos!

Parabens, Hilde, e estamos aqui pro que der e vier, em matéria de paz para o mundo, pois já passamos muitos desesperos durante os anos de guerra!