Ingleses veem fracasso do Brasil em Londres: "vive de sucessos passados" 

O desempenho brasileiro nos Jogos Olímpicos de Londres está longe do esperado pelos torcedores, principalmente para uma nação tão louca por esportes e que será palco da próxima Olimpíada. Isto é o que afirma o jornal inglês The Independent, um dos maiores da Inglaterra, afirmando que o país só vive de sucessos passados.

O jornal faz uma série de observações sobre a participação da delegação brasileira em Londres e cita o fracasso de atletas do país que chegaram à Olimpíada como favoritos a medalhas. O primeiro caso citado pelo jornal é Fabiana Murer. O jornal aponta que ela se tornou a primeira atleta brasileira a ser campeã do mundo no salto com vara, mas não conseguiu se classificar e "depois culpou o vento por sua saída precoce".

The Independent ainda afirma que a atleta recebeu "uma avalanche de críticas" e citou o jogador de vôlei Gustavo, que postou no Twitter muitas críticas pela desistência e ironizou diversas situações culpando o vento.

Mas não foi só Fabiana Murer que sofre com as críticas do jornal. O nadador César Cielo também foi lembrado. Campeão olímpico nos 50 m livre na Olimpíada de Pequim, em 2008, e bronze nos 100 m livre, no mesmo evento, Cielo chegou como principal esperança de ouro para o Brasil nos Jogos.

O jornal lembra que Cielo é o detentor do recorde mundial nas duas provas, mas afirma que com o fraco desempenho ele "teve de se contentar com o bronze nos 50 m livre e terminou apenas em sexto nos 100 m livre".

Afiado, o The Independent ainda cita Maurren Magi, campeã olímpica em 2008 que não conseguiu chegar à final, assim como Leandro Guilheiro "uma esperança do judô". O jornal ainda afirma que "o voleibol do país e as duplas do vôlei de praia não têm dominado as competições como já fizeram no passado".

Apesar de citar os fracassos brasileiros, o jornal lembra que o país conquistou um ouro com Sarah Menezes no judô e um ouro nas argolas com Arthur Zanetti, além de enfatizar que "não seria surpresa se Emanuel e Alisson, campeões mundiais no vôlei de praia masculino" ficarem com o ouro. O Seleção de Mano Menezes também é citada como favorita, apesar de "curiosamente, nunca ter ganhado uma medalha de ouro".

Para encerrar, o jornal relembra que o Brasil está "em um modesto 23º lugar no quadro de medalhas, com apenas dois ouros, uma prata e seis bronzes", afirmando que para um país "com tal pedigree em esportes e tamanha dimensão - com 193 milhões de pessoas, o quinto maior do mundo atrás apenas de China, Índia, Estados Unidos e Indonésia - o Brasil tem desfrutado de uma história surpreendentemente modesta nos Jogos Olímpicos".

The Independent também cita o desempenho do Brasil em Sidney, "quando terminou em 52º no quadro de medalhas sem ganhar nenhum ouro individual" e em 23º em Pequim, com 15 medalhas, "mas com apenas três de ouro".