Diogo Silva admite risco em desempate: "era 1% de chance de pontuar" 

A vitória sofrida logo na estreia na Olimpíada de Londres foi valorizada por Diogo Silva. Na manhã desta quinta-feira, pouco depois de superar o uzbeque Dimitriy Kim por 3 a 2, no Golden Score, o representante brasileiro na categoria até 68 kg do taekwondo admitiu que o chute rodado executado sobre o asiático era arriscado demais para um tempo-extra.

"No Golden Score, sabia que ele estaria com a perna de trás, e o chute que fiz é praticamente 1% de chance das pessoas conseguirem pontuar. Mas ele é um chute que treinamos muito, então preferi arriscar o 1% de chance que tinha", contou Diogo Silva depois do combate sofrido, e equilibradamente esperado pelo competidor brasileiro.

"Foi dentro da minha característica de luta. Eu suporto muito a pressão. Quando luto com o placar apertado, me destaco mais, tenho cabeça forte para enfrentar este momento. A gente já tinha estudado esse atleta, e ele é um contra-atacante, por isso usamos a estratégia de começar fazendo pontos, mas aí no meio da luta ele chegou até a virar, mas tive condições de empatar a luta e depois virar", analisou o lutador.

Tranquilo dentro do combate, mesmo quando enfrentou uma pequena desvantagem no marcador, Diogo Silva destacou o retorno aos Jogos depois de oito anos. Quarto colocado em Atenas 2004, o competidor não conseguiu vaga para Pequim, em 2008. Mais maduro, o atleta mudou sua preparação final para evitar alguma surpresa.

"Assisti metade da Olimpíada em casa, só vim dos últimos momentos para não ter a pressão de Jogos Olímpicos. Pude perceber que os principais atletas caíram, e aquele que se destacou foi o que teve mais paciência, e sem ansiedade para encerrar a luta", discursou Diogo, que, pouco tempo após a vitória, já direcionou o pensamento para o próximo desafio, com início marcado às 12h15 (de Brasília).

"Ele é um atleta que já estudamos (Mohammad Abulibdeh, da Jordânia) e está no mesmo nível que todo mundo aqui. Vou me concentrar para fazer funcionar a nossa estratégia. Estou bem melhor do que na outra luta (venceu o jordaniano em 2007). Estou bem focado em competir bem e lutar bem. Foram oito meses, após o pré-Olímpico, de muita dor para chegar até aqui, agora é lutar bem. Independente do resultado, quero dar o meu melhor", completou.