Federer volta à Suíça e diz que filhas adoraram medalha de prata 

O tenista Roger Federer voltou para seu país na segunda-feira com a medalha de prata conquistada nos jogos Olímpicos de Londres após perder a final para o britânico Andy Murray. Com 17 títulos de Gran Slams na carreira, o suíço viu a tentativa de completar o Golden Slam (quando o atleta possui todos os quatro Grand Slams mais a medalha de ouro olímpica em simples) frustrada - ele ostenta, por outro, o ouro conquistado nas duplas em Pequim 2008 junto a Stanislas Wawrinka.

Apesar de não chegar a seu principal objetivo, o número 1 do mundo afirmou, segundo o site Live Tennis Guide, que suas filhas gêmeas Myla Rose e Charlene Riva adoraram a prata e que uma delas insistiu, no retorno do tenista para casa, para que ele mostrasse imediatamente a medalha.

De acordo com o veículo, as filhas, que são gêmeas e acabaram de completar 3 anos de idade, assistiram à partida contra Murray pela televisão. A mulher do astro, a ex-tenista Miroslava Vavrinec, esteve em Londres acompanhando o torneio olímpico.

No retorno à Suíça, Federer foi recebido por fãs e se definiu muito orgulhoso por conquistar uma medalha para seu país, embora tenha admitido que está um pouco decepcionado por não ter obtido o ouro. Ele disse que foi muito bom poder comemorar a medalha com a família e que vai tentar disputar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, quando terá 35 anos. Roger Federer completa 31 anos nesta quarta-feira.

Logo após a derrota para Murray, Federer já havia se definido orgulhoso pelo resultado, lembrando que o mês de julho havia sido muito bom, com o título de Wimbledon e a volta à liderança do ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP).

O suíço, que desistiu de disputar o Masters 1000 de Toronto nesta semana para descansar, adiantou que começará a treinar novamente em breve, desta vez sobre quadras duras. A partir de 12 de agosto, ele tem a participação prevista no Masters 1000 de Cincinnati; no dia 27 do mesmo mês começa o Aberto dos Estados Unidos, o último Grand Slam do ano.

Murray não tomou conhecimento de Federer na final dos Jogos Olímpicos de Londres, no último domingo. Jogando na grama do All England Club, mesma sede de Wimbledon, o britânico venceu o suíço por 3 sets a 0, com parciais de 6/2, 6/1 e 6/4.