Espanhóis celebram derrota doce e criticam atuações ruins na Olimpíada 

Cercado pela expectativa de uma possível "entregada", o jogo entre Brasil e Espanha desta segunda-feira acabou em uma grande virada dos comandados de Rubén Magnano sobre os europeus no último quarto. A imprensa espanhola, porém, em nada lamentou o resultado ruim na tabela, mas que pode trazer frutos positivos na fase eliminatória dos Jogos Olímpicos de Londres. Com o terceiro lugar, a Espanha só pega os Estados Unidos em uma possível final.

"Espanha vive sua derrota mais doce ante o Brasil" é o título que estampa a notícia da vitória brasileira noMundo Deportivo. Após seu segundo revés consecutivo, os espanhóis encerram a primeira fase do torneio "com um sorriso nos lábios", de acordo com o jornal catalão.

A publicação apontou que estava claro no jogo que nenhuma das equipes estava interessada em ganhar e criticou a fragilidade defensiva do Brasil, muito pouco aplicado em impedir que os adversários pontuassem. OEl País chegou a estampar na sua capa o título "A derrota mais oportuna", mas no fim criticou a apresentação dos comandados de Sergio Scariolo e a dependência da seleção europeia aos irmãos Gasol, que sozinhos fizeram 45 pontos.

O maior jornal do país afirmou que a Espanha avança para a segunda fase muito mais desanimada do que chegou aos Jogos de Londres, com status de favorita no Grupo B após a prata nos Jogos de Pequim e o bicampeonato no campeonato europeu de basquete. Foram lembradas as atuações ruins contra Rússia e Grã-Bretanha, que por pouco não protagonizou a maior surpresa da modalidade ao perder por apenas um ponto da Espanha.

A ausência de Nenê também foi destacada pelo El País, já que o pivô do Washington Wizards foi apontado pelo periódico como um dos pilares da equipe de Rubén Magnano. Apesar de uma suposta falta de vontade dos espanhóis, o jornal atacou a fragilidade das jogadas fora do garrafão, que não fizessem uso do trio Serge Ibaka, Pau e Marc Gasol.

As foi mais direto: "Espanha deixa um péssimo último quarto no qual entregou a partida ao Brasil". A atitude, porém, não foi vista com bons olhos pela publicação, que lembrou que antes dos Jogos Olímpicos a Espanha era considerada uma equipe com boas chances de superar os Estados Unidos. O jornal explicou que uma geração vitoriosa como a que representa o país ibérico em Londres não necessita entregar uma partida para ter um caminho mais fácil na competição.

Já o Marca exaltou a partida de Leandrinho, cestinha do Brasil, que liderou a virada com uma excelente apresentação no último quarto. "Barbosa permite a Espanha evitar os Estados Unidos até a final" foi o título escolhido pelo periódico, que afirmou que a atuação do ala-armador brasileiro ofuscou a grande partida de Pau Gasol, melhor em quadra.