Mano volta a criticar individualismo da Seleção 

A Seleção Olímpica do Brasil levou 11 gols em seis jogos, mas Mano Menezes não quer a responsabilidade apenas em cima da linha de quatro defensores. Depois da vitória por 3 a 2 diante do Egito, nesta quinta-feira, o treinador disse que o alto número de gols é resultado de falhas que começam na marcação no ataque.

"Não existe uma defesa que se comporte bem se a equipe passa a não se comportar bem. A defensa é a última linha, se comporta proporcionalmente ao resto da equipe. Mesmo assim, Neto fez uma defesa no começo, uma intervenção numa bola cruzada na área e não fez mais nenhuma defesa", disse.

Mano, no entanto, enxergou um problema na recomposição do time por conta dos volantes Rômulo e Sandro. Para o treinador, é necessária maior atenção dos jogadores para evitar gols como o segundo marcado pelos egípcios.

"Todos têm sua avaliação do jogo, mas ficou nítido quando o Brasil foi bem e não foi bem. E também ficaram bastante claros os problemas. Taticamente a única questão que pode ser falada é que nossos volantes jogaram abertos. E você precisa ter volantes centrais. No segundo gol, a bola levou tempo até chegar à nossa área, e teve falha de posicionamento, ela não pode chegar ali", explicou.

O técnico ainda acredita que faltou sincronismo nas descidas ao ataque dos laterais. Para ele, Marcelo e Rafael Silva atacaram desordenadamente, o que provocou contra-ataques perigosos do Egito por seus setores.

"Se Marcelo e Rafael estavam voltando para fechar juntos, já temos alguma coisa errada. Não é para os dois apoiarem ao mesmo tempo. Existe hora para apoiar, hora para não apoiar tanto, e isso aconteceu no segundo tempo algumas vezes. Naturalmente você usa mais o lado esquerdo, porque o Marcelo tem mais essa característica. O apoio se justifica quando há benefício no fim da jogada. Se não, é porque não estão indo tão bem, e isso aconteceu", explicou.

Por último, Mano voltou a cobrar jogo coletivo durante todo o tempo. "Ofensivamente fizemos bem feito no primeiro tempo, com trocas de passes, ultrapassagens, bola tocada de trás da linha de defesa. No segundo tempo, voltamos a exagerar nas jogadas individuais. E o resultado foi que tivemos muito mais dificuldades", disse.