Crystal Palace começa a ficar com a cara do Brasil em Londres

O complexo esportivo do Crystal Palace - principal sede da delegação brasileira que vai competir nos Jogos Olímpicos de Londres a partir do próximo dia 27 de julho - começou a ficar com a cara do Brasil neste domingo, véspera da chegada da equipe de natação, que compete na primeira semana da Olimpíada.

O local, que abrigou na última sexta-feira e no sábado uma etapa da Liga Diamante de atletismo, teve toda a estrutura do evento desmontada durante a madrugada. Na manhã deste domingo, começou a troca pela estrutura brasileira, com os banners do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e de seus patrocinadores.

Nesta segunda-feira chegam os nadadores Bruno Fratus, Cesar Cielo, Daniel Ozerchowski, Daynara de Paula, Fabíola Molina, Felipe Lima, Felipe França Silva, Henrique Barbosa, Joanna Maranhão, João de Lucca, Leonardo de Deus, Marcelo Chierighini, Nicholas Santos, Nicolas Oliveira, Tales Cerdeira e Thiago Pereira. Kaio Márcio, Henrique Rodrigues e Graciele Herrmann chegam posteriormente, ainda nesta semana.

No prédio principal do Crystal Palace National Sports Centre, piscina, quadras e até mesmo um espaço para ensaios musicais dividem as atenções com um refeitório, no qual uma placa na entrada avisa os frequentadores: "Crystal Palace tem a honra de receber a delegação olímpica do Brasil; entretanto, em virtude disto, o acesso a determinados locais do complexo estarão restritos durante o período". O mesmo acontecerá com o trânsito local, que também deverá passar por modificações.

Ao lado da construção, uma instalação possibilita que os frequentadores disputem partidas de vôlei de praia antes da chegada das duplas brasileiras. A poucos metros dali, quadras de tênis e de basquete, pistas de atletismo, tanques de areia de salto em distância e quadras de grama sintética permitem que os frequentadores habituais do local disputem esportes que nem sempre são olímpicos, como o críquete.

Nas dependências do grande parque de mesmo nome que recebe o centro de esportes, amplas áreas verdes circundam as dependências e deixam o subúrbio londrino com cara de cidade pequena. Por todo o gramado, é comum encontrar visitantes deitados para tomar sol, fazer piqueniques e passear com filhos ou cães.

O centro de treinamentos, separado por 25 minutos de trem até o complexo olímpico de Londres, foi inaugurado em 1964. O local, batizado de Crystal Palace Park, recebe o nome pela referência ao Palácio de Cristal, construção em ferro e vidro montada no Hyde Park, no coração de Londres, para a Grande Exposição de 1951 e posteriormente transferida para a região conhecida até então como Sydenham Hill, no subúrbio londrino.

Um incêndio destruiu a edificação em 1936, mas o nome ficou. Hoje, Crystal Palace tem o National Sports Centre como principal referência. O estádio de atletismo, que substituiu um antigo campo de futebol do Crystal Palace Football Club, tem capacidade para 15,5 mil torcedores. Outras dependências também foram usadas anteriormente por equipes ligadas ao bairro; hoje, porém, o espaço é majoritariamente público.