A 30 dias da Olimpíada, presidente do COI se diz tranquilo 

Faltando exatamente um mês para o início dos Jogos de Londres, Jacques Rogge, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), está tranquilo quanto à organização da Olimpíada, que será sua última à frente da entidade máxima do esporte, segundo informou o jornal inglês The Guardian.

Em meio a todo o controle britânico com os 9,3 bilhões de libras (R$ 30,12 bilhões) de orçamento, o risco de colapso do transporte na capital inglesa, e os temores com segurança, é fácil esquecer que os preparativos para Londres 2012 foram livres de estresse para Rogge e para o COI.

Afinal, não houve o pânico com construções "em cima da hora" como em Atenas 2004 e nem os protestos humanitários de Pequim 2008. O belga Jacques Rogge, que é um ex-velejador olímpico e está no comando do COI desde 2001, é efusivo em seus elogios ao Comitê Organizador dos Jogos de Londres (Locog, em inglês) e a seu presidente, Sebastian Coe.

Rogge disse que organizar Jogos Olímpicos é sempre um difícil desafio quanto à logística, e ressaltou que imprevistos são comuns e exigem adaptação. O presidente do COI exaltou ainda o fato da Olimpíada londrina estar "dentro" do orçamento previsto e elogiou a criatividade e paixão pelo esporte do Locog.

Apesar da confiança quanto a Londres 2012, Jacques Rogge, que encerra seu mandato frente ao COI em setembro de 2013, tem uma preocupação que aflige a maioria dos britânicos: o clima da capital inglesa. Ele espera que chova o máximo possível agora, antes do início dos Jogos.

O belga apontou três fatores que podem transformar uma "boa Olimpíada" em uma "ótima Olimpíada": boa organização com bom clima, o desempenho dos anfitriões e medalhas de ouro. O último "ingrediente chave", segundo Rogge, são "performances icônicas de atletas icônicos".