Dez perguntas que não querem calar sobre a morte da juíza Patrícia Acioli

Responda-as quem puder

1) Se a juíza já havia recebido ameaças de morte, por que não tinha escolta policial 24 horas por dia?

2) É realmente tão difícil assim desmontar os grupos de extermínio de São Gonçalo?

3) E as gangues que controlam o dito "transporte alternativo" da cidade, como lidar com elas?

4) Por que a cidade de São Gonçalo, com mais de 1 milhão de habitantes, só tinha uma juíza responsável por casos de homicídio?

5) Quais garantias serão dadas ao(s) magistrado(s) que ocupará(ão) o lugar da juíza assassinada?

6) Afinal, Luiz Zveiter negou ou não o pedido de proteção pessoal feito por Patrícia Acioli?

7) Quando é começa a trabalhar a tal "comissão de juízes" que vai assumir os processos de São Gonçalo? 

8) O que são, exatamente, as "características de crime de máfia", citadas pelo procurador-geral Cláudio Lopes?

9) O que o deputado Flávio Bolsonaro quis dizer quando publicou (no Twitter) que a juíza "colecionava inimigos" e "humilhava policiais"?

10) Quando é que as autoridades vão deixar de se dizer "chocadas" com esse tipo de coisa, e vão passar a agir de verdade?