Com o papa Francisco: o Terceiro Mundo no Vaticano

São notórias as muitas inovações que o papa Francisco, bispo de Roma, como gosta de ser chamado, introduziu nos hábitos papais e no estilo de presidir a Igreja na ternura, na compreensão, no diálogo e na compaixão.

Não são poucos os que ficam perplexos, pois estavam habituados ao estilo clássico  dos papas, esquecidos de que tal estilo é herdado dos imperadores romanos pagãos, desde o nome de “papa” até o manto sobre os ombros (mozeta), todo adornado, símbolo do absoluto poder imperial, prontamente rejeitado por Francisco. 

Vale lembrar sempre de novo que o atual papa vem de fora, da periferia da Igreja central europeia. Carrega outra experiência eclesial, com novos costumes e outra forma de sentir o mundo com suas contradições. Conscientemente, ele o expressou em sua longa entrevista à revista dos jesuitas Civiltà Catolica: As Igrejas jovens desenvolvem uma síntese de fé, cultura e vida em devir, e, portanto, diferente da desenvolvida pelas Igrejas mais antigas”. Estas não são marcadas pelo devir mas pela estabilidade, e custa-lhes incorporar elementos novos provindos da cultura moderna secular e democrática. 

Aqui o papa Francisco enfatiza a diferença. Tem consciênica de que  vem de outra maneira de ser Igreja, madurada no Terceiro Mundo. Este se caracteriza pelas profundas injustiças sociais, pelo nmero absurdo  de favelas que circundam quase todas as cidades, pelas culturas originárias sempre desprezadas e pela herança da escravidão dos afrodescendentes, submetidos a grandes discriminações. A Igreja entendeu que, além de sua missão específicamente religiosa, não pode furtar-se a uma missão social urgente: estar do lado dos fracos e oprimidos e empenhar-se por sua libertação. Nos vários encontros continentais dos bispos latino-americanos e caribenhos (Celam) amadureceu a opção preferencial pelos pobres  contra sua pobreza e a evangelização libertadora. 

O papa Francisco vem deste caldo cultural e eclesial. Aqui tais opções com suas reflexões teológicas, com as formas de viver a fé em redes de comunidades e com celebrações que incorporam o estilo popular de rezar a Deus, são coisas evidentes. Mas não o são para os cristãos da velha cristandade europeia, carregada de tradições, teologias, catedrais e um sentimento do mundo impregnado pelo estilo greco-romano-germânico de articular a mensagem cristã. Por vir de uma Igreja que deu centralidade aos pobres, visitou primeiramente os refugiados na ilha de Lampedusa, depois em Roma, no centro dos jesuitas, e em seguida os desempregados da Córsega. Isso é natural para ele, mas é quase um “escandalo” para os curiais e inédito para os demais cristãos europeus. A opção pelos pobres, reafirmada pelos últimos papas, era só retórica e conceptual. Não havia o encontro com o pobre real e sofredor. Com Francisco se dá exatamente o contrario: o anúncio é prática afetiva e efetiva. 

Talvez estas palavras de Francisco esclareçam seu modo de viver e de ver a missão da Igreja: Eu vejo a Igreja como um hospital de campanha após uma batalha. É inútil perguntar a um ferido grave se tem colesterol e glicose altos! É preciso curar as feridas. Depois se poderá falar de todo o restante”. A Igreja prossegue por vezes se fechou em pequenas coisas, pequenos preceitos. A coisa mais importante, ao invés, é o primeiro anúncio: Jesus o salvou!. Portanto, os ministros da Igreja, em primeiro lugar, devem ser ministros de misericórdia, e as reformas organizativas e estruturais são secundárias, ou seja, vêm depois, porque a primeira reforma deve ser a da atitude. Os ministros do Evangelho devem ser pessoas capazes de aquecer o coração das pessoas, de caminhar com elas na noite, de saber dialogar e também entrar na noite delas, na escuridão delas, sem perder-se. O povo de Deus conclui quer pastores e não funcionários ou clérigos de Estado”. No Brasil, falando aos bispos latino-americanos, cobrou-lhes fazer a “revolução da ternura”. 

Portanto, a centralidade não é ocupada pela doutrina e pela disciplina, tão dominantes nos últimos tempos, mas na pessoa humana, nas suas buscas e indagações, seja ela crente ou não, como o mostrou em diálogo com o não crente e  ex-editor do diário romano La Repubblica, Eugênio Scalfari. São novos ares que sopram das novas igrejas periféricas que arejam toda a Igreja. A primavera de fato está chegando, promissora.

*Leonardo Boff, teólogo e filósofo, escreveu diversos livros, entre os quais, 'Francisco de Assis e  Francisco de Roma' (Mar de Ideias, Rio, 2013).