'O olhar dele toca o coração', diz jovem que se confessou com papa

Foram três meses de espera e silêncio para cinco minutos que mudaram a vida de Claudia, Stefani, Welington, Renan e Marco Antonio, os cinco jovens que se confessaram com o papa Francisco nesta sexta-feira. Escolhidos por meio de sorteio, os fiéis oraram e puderam ficar a sós com o pontífice. Em comum, a sensação de proximidade com o líder máximo da Igreja Católica.

"A reação que tivemos era de espanto por termos sido escolhidos e outra que era não poder contar para ninguém. A gente deveria manter sigilo", conta o carioca Welington de Melo ao se lembrar de como soube que participaria de uma das agendas do papa durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). "Foi muito difícil (manter o silêncio)", brincou.

A espera foi recompensadora na avaliação de cada um deles. “Ele é muito carismático. O olhar dele é algo que toca o coração. É como se ele já soubesse o que você vai dizer”, diz a italiana Claudia Gianpetro. Indagada se considera um orgulho ter se confessado com o papa, ela é categórica. "Não acho que seja uma coisa que merecemos. É uma escolha casual, então é uma bênção".

O encontro ocorreu na Quinta da Boa Vista, Zona Norte do Rio de Janeiro, em uma tenda que funcionava como um tipo de capela. O local fica ao lado dos 50 confessionários que compõem a Feira Vocacional. O recado dado pelo pontífice é um segredo a ser guardado por cada fiel. Antes, porém, em uma oração, o líder religioso apresentou uma mensagem motivacional aos cinco jovens.

"Quando nós estivéssemos desanimados, que a gente nunca desistisse. Que a gente tem uma grande pessoa ao nosso lado, que é Jesus Cristo", relatou Welington. O carisma do papa Francisco foi unanimidade no grupo e todos garantem ter ficado à vontade com o momento. "Você consegue ver Deus no olhar daquele papa", garantiu o cearense Renan Souza. Sensação partilhada pela venezuelana Stefani Lescano.