Papa volta a alertar jovens contra a tentação do dinheiro e do poder

Um mar de bandeiras cobriu a praia de Copacabana nesta quinta-feira para o primeiro encontro oficial entre jovens de todo o mundo, cerca de 1 milhão hoje, de acordo com a organização, e o papa Francisco. A festa de acolhida dos jovens foi o primeiro momento mais esperado por todos os que vieram ao Rio de Janeiro para ouvir o Pontífice, que advertiu uma vez mais os jovens para a tentação do dinheiro e do poder. 

“Muita gente crê que é o centro do universo, que o mundo gira em torno de si, que ter dinheiro e poder dá felicidade. Mas não é assim. É só um momento de embriaguez. Mas depois nunca se está satisfeito. Se fica cheio, mas nunca alimentado. E a juventude tem que estar alimentada. Ponham Cristo em suas vidas e não vai se decepcionar”, afirmou o Papa. 

Depois de ouvir as boas-vindas do arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta, o Papa foi recebido com uma música de saudação cantada pelo padre Fábio de Melo, e um pout-pourri de músicas brasileiras como Copacana, Samba do Avião, de Tom Jobim; Ave-Maria no Morro, de Herivelto Martins; Jesus Cristo, de Roberto Carlos e Aquele Abraço, de Gilberto Gil. 

O Papa ouviu junto com os jovens a leitura do Evangelho e na reflexão deu a receita para uma vida melhor. “Se queremos que a vida tenha sentido e plenitude, como vocês desejam e merecem, botem fé que a vida terá um sabor novo.” 

No trajeto até o altar montado entre as praias do Leme e de Copacabana, onde vai celebrar a Vigília e a Missa de Envio no fim de semana depois que os eventos em Guaratiba foram cancelados, Francisco não se limitou a dar beijos e abençoar crianças - o que já virou uma rotina do Pontífice em seus trajetos. 

Durante o percurso, Jorge Mario Bergoglio pôde recuperar um gosto rotineiro de quando era o arcebispo de Buenos Aires: o mate.  Em certo momento do caminho, o Papa aceitou o presente de um fiel que lhe passou uma cuia de chimarrão. Francisco se manteve sorvendo o mate de dentro do objeto até o fim do caminho. 

Antes, o Papa já havia trocado de solidéu com outro peregrino. Francisco pegou o objeto, tirou o seu da cabeça e pediu para um dos seguranças entregar a quem havia jogado. O Papa ainda ouviu a cantora Fafá de Belém e outras artistas católicas. E ainda fez um convite aos jovens. “A fé é revolucionária. Estás disposto a entrar na onda da revolução da fé? Só assim sua vida terá sentido e será fértil” disse Francisco, que ainda brincou com o mau tempo na cidade. “Sempre ouvi dizer que os cariocas não gostam de frio e da chuva, mas que a fé de vocês é mais forte que o frio e a chuva. Parabéns.”

A cerimônia terminou com o coro de monges beneditinos cantando o Pai Nosso em canto gregoriano. Depois disso, o Papa deixou o altar em carro fechado.