Heloisa Tolipan: Nem toda nudez será castigada

A semelhança com os bastidores de um videoclipe da Madonna (ou, quem sabe, da Lady Gaga) não deixa de ser mera coincidência, mas compartilha da mesma sensualidade emoldurada por pernas torneadas, curvas deslumbrantes e músculos esculpidos presentes nas gravações das divas. 

Este foi mais um Dia Nacional da Roupa de Baixo, comemorado, pelas ruas de Brasília, pelo quinto ano consecutivo e promovido pelos meninos do site Finíssimo. “Sempre celebramos na terça-feira anterior ao Carnaval, pois já estão todos em um clima descontraído”, comenta o editor Thales Sabino. Para quem não sabe, o evento, além da busca por visibilidade no mundo fashionista da capital federal, tem como intuito debater a relevância da underwear , tanto em nosso cotidiano como na economia do nosso país. Pois é, você sabia que o Brasil exporta, em média, 25 milhões de peças íntimas, anualmente?

Tal notícia nos deixou de calças na mão. Nada que uma cueca ou calcinha burlesca não desse conta, afinal, o tema desta edição do DNRB foi exatamente o clima teatro + sex appeal que o universo burlesco, tão em voga, tem. 

Sobre os 28 modelos new face convocados para 2011, Thales ressalta uma característica dos rapazes e moçoilas: “São modelos comerciais, ou seja, mais fáceis de despertarem identificação com o público que acompanha o evento”. Aliás, rolam planos para que esta verdadeira intervenção urbana chegue a outras cidades. “Um shopping do mesmo grupo empresarial do Conjunto Nacional (shopping que o DNRB utiliza como quartel-general) teve interesse para que fizéssemos este ano, mas preferimos ter calma. Quem sabe em 2012?”, provoca Thales. Tomara, querido, o que é bonito é para ser mostrado.