Tucanos não tragam o cachimbo da paz

Eleições podem forçar discussão A controversa descriminalização das drogas é um tema que vem ganhando destaque nos últimos anos no país. Estimativas do Ministério da Saúde revelam que cerca de 600 mil pessoas sejam usuárias de crack em todo o Brasil.

No Congresso, inúmeros projetos buscam soluções para o problema, que em grande parte dos casos não se mostra sensível às políticas adotadas.

Para a primeira vice-presidente do PSDB, senadora Marisa Serrano (MS), 2011 é o momento para discussão, “independentemente de preconceito”. De olho nas próximas eleições, o partido deve se debruçar nas “questões nacionais”.

Serrano concorda com os argumentos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, quando ele defende que o usuário deve ser tratado. A senadora acredita que há clima no partido para levar a discussão adiante e propõe que o PSDB se manifeste.

– Já ouvi muitas pessoas que não são do meu partido e começaram a ver a questão de outro ângulo a partir da tese do Fernando Henrique Cardoso.

Dentro do partido isso não vai ser diferente – prevê.

O líder da legenda no Senado, Alvaro Dias (PR), também é partidário da descriminalização, desde que nos moldes defendidos por FHC, que não pretende eximir de punição os usuários.

– É uma proposta viável e o governo poderia trabalhar nesses parâmetros – sugere.

Apesar disso, Dias não vê motivo para que o partido se posicione.

Foro íntimo Ex-presidente do PSDB e membro do Conselho Político do partido, o deputado Eduardo Azeredo (MG) prefere não revelar como vê a defesa da descriminalização das drogas por FHC. Ele lembra que tanto em países que passaram pela experiência de não prender os usuários como os que mantem medidas coercitivas sofrem com as consequências do vício.

– A gente sabe que existem pessoas que são criminalizadas, mas são também vítimas – pondera. – Não se pode deixar a questão solta Acho que é um tema de foro íntimo, mais que partidário. É uma proposta viável, e o governo poderia trabalhar nesses parâmetr os senador Alvaro Dias, líder do PSDB.