Sim aos gays

Casamento ainda enfrenta obstáculos Segundo Gary Gates, são comuns os casais homossexuais que começaram seus relacionamentos atuais após terem filhos com parceiros heterossexuais. Este parece ser o caso de muitos negros e latinos de Jacksonville, para quem a reprovação da igreja pesa muito.

– Nós crescemos na igreja, por isso muitos de nós sentimos vergonha – conta Darlene Maffett, 43, moradora de Jacksonville.

Ela teve dois filhos em oito anos de casamento, antes de sair do armário, em 2002.

Jacksonville já chamava a atenção de Maffett antes de ela se mudar para lá. Embora os moradores homossexuais permanecessem escondidos, havia uma igreja aberta aos fiéis gays. Em 2003, ela passou a dirigir 90 minutos todos os domingos até a cidade, só para participar do culto.

Quando a primeira igreja aberta aos negros homossexuais foi inaugurada, em 2007, Valerie Williams, moradora de Jacksonville e antiga integrante da comunidade gay, achou que eles precisavam ir além. Ela se tornou pastora da Igreja St. Luke e estabeleceu um programa para jovens, o que fez a frequência triplicar em poucos meses.

– De repente, vimos muitas mulheres que tinham filhos revelando sua homossexualidade – conta Maffett.

Casamento Pessoas do mesmo sexo que decidem se casar enfrentam obstáculos legais. O estado da Flórida não reconhece o casamento gay, e o reconhecimento de uniões estáveis ainda deixa muitas brechas. Até recentemente, a Flórida era um dos estados que proibia expressamente a adoção de crianças por casais gays.

Mesmo quando os empregadores concordam em oferecer cobertura às uniões estáveis, os casais pagam impostos mais elevados, pois, sem o reconhecimento oficial de seu status, a cobertura médica é considerada rendimento tributável.

A bancária Ty Francis, por exemplo, sustenta seis crianças com sua companheira, Rosalyn Cooley, que trabalha na área da saúde.

– Estou quase pedindo seguro desemprego – desabafa Ty.

Entretanto, as dificuldades financeiras não diminuem o entusiasmo de lutar pela aceitação em uma cidade que, apesar de tudo, continua conservadora.

Além da abertura das igrejas, outras conquistas mostram o início de uma convivência amigável. Um outdoor que apoiava jovens homossexuais não provocou desprezo ou boicote do público, e as paradas do orgulho gay já são realizadas há alguns anos em Jacksonville.