De volta ao batente

Especialistas acreditam que reforma política é possível. Mas recuperar imagem é complicado C om os presidentes da Câmara e do Senado eleitos, é hora de o Congresso Nacional trabalhar. A nova legislatura começa com mudanças. Dos 81 senadores, 46 foram eleitos em outubro – o que representa uma renovação de 57% das cadeiras. Desses, 32 ocupam o cargo pela primeira vez e cinco voltam à Casa depois de passar por outros cargos. O cenário na Câmara é parecido, com 46% de renovação, sendo 12% de estreantes na política.

Apesar disso, na visão de especialistas, a prometida reforma política deve enfrentar muita resistência para sair do papel e, caso realmente aconteça, deverá ser mais por empenho do Executivo do que por decisão dos parlamentares. O grande desafio é elaborar uma proposta que consiga agradar a gregos e troianos.

Ou que, pelo menos, faça com que a maioria se empenhe em sua aprovação. A desgastada imagem do Congresso, avaliam, só depende mesmo do comportamento dos parlamentares.