Tem charuto novo no Vasco

Gostei da eleição do Dinamite, mas ele mostrou que não pode gerir um clube. Ele não administrava o próprio contrato quando jogava Como surgiu a ideia de se candidatar à presidência do Vasco? – Eu não pretendia me candidatar às eleições, até porque achei que a chegada do Roberto Dinamite seria muito boa para o Vasco. O clube nunca teve um presidente com tanto apoio popular e da mídia, mas mesmo assim ele conseguiu colocar a equipe na Série B após assumi-la na 7ª posição do Campeonato Brasileiro, em 2008.

Esta não é a primeira vez que o sr. se candidata à presidência do clube. Como foi a primeira vez? – Isso foi nos anos 80, quando eu fazia parte de um grupo de oposição. A chapa já es tava formada, mas, na última hora, nosso candidato fez um acordo com a situação e desistiu das eleições. Como precisavam de alguém para o lugar dele, pediram que eu concorresse. Eu era muito jovem naquela época, e como o Vasco é um clube de tradição, sabia que minhas chances eram muito pequenas.

De lá para cá, nunca mais tive esse desejo.

Na sua opinião, o que faltou ao Roberto Dinamite para mudar a situação do Vasco? – Faltou tudo. Nestes últimos anos, o Roberto mostrou que não tem competência para administrar nada.

Foi um grande jogador e ídolo do Vasco, mais nada.

Ele não administrava o próprio contrato. Quando era atleta, quem fazia isso era a Jurema, esposa dele. E todo mundo sabe que, quando a gente tem alguém que não serve para nada na família, a gente manda ele para a política. É o caso do Dinamite.

Como deputado, mal posso avaliá-lo, pois não fez nada.

Em todos estes anos, a única coisa que fez foi propor uma lei proibindo a venda de balas e paçocas na entrada das escolas públicas.

Muitos associam sua imagem ao ex-presidente do Vasco, Eurico Miranda. Qual é a sua relação com ele? O sr. não teme ser prejudicado nas eleições pela má reputação dele diante da torcida? – Sou amigo do Eurico, como sou amigo de qualquer vascaíno. O sangue da Cruz de Malta é sempre melhor. O Eurico deu uns deslizes e cometeu alguns erros durante sua passagem pelo Vasco, mas eu não tenho nada a ver com ele. Eurico é Eurico, eu sou Fernando Horta. O Eurico deu uns deslizes no fim do seu mandato.

Mas eu não tenho nada com isso. Eurico é Eurico, eu sou Fernando Hor ta.