Cartas

Quadro sombrio Mortes na Região Serrana do Rio, mais de 770. Desvio de 500 milhões (apurados até agora) na Funasa. Batistti, o assassino italiano, ainda no Brasil. Invasões do MST. Pensão vitalícia para ex-governadores (e Álvaro Dias cobrando retroativo).

Aumento pornográfico dos salários de deputados. Anatel ameaçando o sigilo telefônico. Gastos com cartões corporativos. Problemas no Enem. O programa Minha Casa, Minha Vida começando a fazer água. Inflação e subida da taxa de juros. E estamos apenas no dia 22 de Janeiro.

Quanta sombra! É mole? Luiz Nusbaum, São Paulo Parlamento e palafitas Eu já tinha me esquecido dos 62% de aumento nos salários dos parlamentares. Mas recentemente, como milhares ou milhões de brasileiros, eu vi na televisão um documentário sobre as 2.300 famílias que vivem em condições subumanas nas palafitas de Santos (SP), dividindo espaços com ratazanas.

Aquele documentário não sai de minha cabeça e, quando menos espero, estou multiplicando os R$ 10 mil mensais que foram acrescidos no salário de cada um vezes 594 parlamentares, que dá um montante de R$ 5,94 milhões. Aí, fico imaginando que, se fosse aplicada essa diferença por um período de dois anos na construção de casas populares para aquelas famílias, seria o fim das palafitas de Santos e a chegada da dignidade para aqueles nossos irmãos.

Jeovah Ferreira, Taquari (DF) Passado e presente Os temas da agenda Brasil continuam os mesmos de há 60 anos. Nada mudou. Corrupção e impunidade na vida pública, violência e desordem social, ensino deficiente, empresários e trabalhadores reclamando da vida, o caos no sistema público de saúde, crescimento das favelas, políticos que se elegem explorando a miséria alheia, enfim, tudo o que lemos na imprensa no passado continuamos a ler no presente, e com certeza as novas gerações lerão no futuro. Toda a tragédia que acontece na Região Serrana do Rio de Janeiro é o resultado da demagogia política de todos os governos que passaram pelas cidades atingidas. Prefeitos e vereadores de todos os partidos se uniram e repartiram os municipios em zonas eleitorais. Permitiram as construções de moradias de alto risco para os pobres, nos lugares mais absurdos que a mente humana possa imaginar. Estimularam as classes mais privilegiadas a construírem lindas casas em lugares em que apenas as árvores deveriam colocar suas raízes. É o que acontece com a cidade de Nova Friburgo. Há 50 anos ela estava rodeada pela vegetação da Serra do Mar. Nos dias de hoje está esprimida e sufocada por um verdadeiro pombal de cimento armado. Diante do silêncio do ser humano, a natureza devastada resolveu protestar.

Wilson Gordon Parker, Nova Friburgo (RJ) Subsídios O PSTU tem toda a razão em entrar com ação judicial contra o aumento abusivo do Legislativo e do Executivo . Não pode haver isonomia entre funcionários de carreira do serviço público e os agentes públicos. Estes são eleitos para exercerem cargos públicos temporariamente, não fazem parte do quadro permanente de pessoal de nenhum órgão de governo. Não deveriam ser concedidos a eles aposentarias nem quaisquer outros benefí cios aos quais fazem jus os servidores públicos de carreira.

Odiléa Mignon, Rio Aquecimento global Os líderes políticos mundiais continuam com o foco priorizando a economia. Subestimam o meio ambiente.

Dificilmente, não ocorrendo uma mudança de regime (fim do capitalismo), o aquecimento global será prioritário.

Antonio Negrão de Sá, Rio.