As cinderelas do rock

Empresários pagam até US$ 10 mil para entrar na pele de um astro do rock por uma semana, com direito a show B em antes de se tornarem doutores, advogados, corretores de seguros ou diretores de empresas, eles tocavam em bandas de garagem e sonhavam, um dia, alcançar o status de ídolo do rock. Hoje, eles são os principais clientes do Rock’n’Roll Fantasy Camp, realizado neste ano em Nova York. Criado pelo empresário David Fishof, o evento simula um grande show para rockeiros que optaram por uma vida “normal” ao invés da artística.

– Sinto como se tivesse 18 anos de novo – conta o banqueiro Jerry Goldberg, 60. Nascido no Brooklyn, ele trouxe a família para assistir ao show. – Confesso que fiquei um pouco intimidado no começo, mas acabou sendo uma das melhores experiências da minha vida.

Durante quase uma semana, Jerry Goldberg e outros “astros” que participaram do evento ensaiaram no Hit Fac tory, em Nova York, famoso estúdio onde Michael Jackson, John Lennon e Stevie Wonder faziam suas gravações.

Começo difícil A atração teve sua primeira edição em 1997. Inspirado em eventos semelhantes onde os clientes pagavam para ter um dia de jogador de baseball, ele não teve uma estreia muito boa.

Segundo seu idealizador, o empresário David Fishof, a primeira tentativa foi um fracasso.

No entanto, o Fishof apostou novamente na ideia anos mais tarde, em 2002. A teimosia deu resultado, e o segundo evento foi um sucesso.

– A base do meu negócio é fazer com que essa experiência mude a vida de quem está participando – explica Fishof, que se nega a revelar quanto os verdadeiros astros do rock ganham para fazer apresentações e ajudar nos ensaios dos desconhecidos. – Isso é confidencial.