Pag. 9 - Anna Ramalho

Com Luiz Cláudio de Almeida e Pedro Reis Tudo a ver Não será surpresa se o casarão do Cosme Velho que pertencia a Roberto Marinho – e onde a viúva Lily, falecida semana passada, morava – virar uma espécie de museu aberto à visitação pública, a exemplo da casa do biliardário americano Paul Getty, em Los Angeles.

Vem de longe Este era o desejo do jornalista e chegou a ser debatido, há anos, com dois de seus mais próximos assessores: Otto Lara Rezende e Walter Poyares, ambos também já falecidos. Além da benesse para a cidade e para o país que um museu desse tope representa, doutor Roberto não desejava uma disputa entre os filhos para ver quem iria residir ali.

Senhora coleção O casarão do Cosme Velho abriga uma estupenda coleção de arte e uma invejável pinacoteca – que só teve uma exposição fora daqueles muros, há anos, patrocinada pelo Banco Bozzano Simonsen.

A bobagem colou Quando da morte de Marinho, Lily pretendeu voltar a residir em seu apartamento da Avenida Atlântica. Foi dissuadida pelos muy amigos, que sacaram de um argumento decisivo: se deixasse a casa, ela não mais teria o prestígio e o status de ser a viúva Roberto Marinho.

Faz sentido Como a Ladeira dos Guararapes há muito deixou de ser um local seguro, UPPs à parte, é muito possível que os herdeiros de doutor Roberto façam o que fizeram os herdeiros do vizinho e não menos ilustre empresário Paulo Geyer: uma casa museu, que poderá fazer parte da Fundação Roberto Marinho.

Pires na mão Já que o assunto é Lily de Carvalho Marinho, nas altas rodas estima-se que, com sua morte, uma meia dúzia de cintilantes figuras da sociedade carioca vai passar a pão e água, se a velha senhora não lhes tiver deixado um bom agradinho depois de ter vendido propriedades, objetos de arte e muitas joias, há coisa de dois anos, para deixar resolvida a vida do único filho e dos netos.

Alma generosa Para se ter uma ideia, a generosa Lily comprou uma fábrica de refrigerantes para um deles, que, por sinal, logo desistiu do trabalho para viver apenas da mesada. Falta de aptidão para o batente.

Noves fora uns três ou quatro que faziam jus a altas mesadas. Pagas pontualmente, mensalmente, e há muitos anos.

Resumo da ópera Se não trataram de economizar as gordas quantias que receberam, já, já, estarão flanando pela rua da a m a rg u ra . REVIVENDO A CANADÁ – As tops dos anos 50: Adalgisa Colombo, Georgia Quental, Vania Badin e Ilka Soares prestigiaram a exposição Casa Canadá, na mansão Figner; Eduardo Jorge Caldas, Alice Tamborindeguy e Lidice Caldas também foram, além de Paula Cleophas, que abraça a sobrinha e idealizadora da mostra, Georgianna Basto Richter.