Pag. 15 - Rio de Janeiro foi o estado com maior número de punições

Do total das “punições expulsivas” de caráter administrativo, levantadas pela CGU, as demissões atingiram 2.544 funcionários. Outros 247 perderam cargos em comissão e 178 tiveram suas aposentadorias cassadas.

Em números absolutos, o Ministério da Previdência foi o que teve mais funcionários punidos (746), à frente do Ministério da Educação (493) e do Ministério da Justiça (384).

A CGU divulgou ainda o balanço das “punições expulsivas” por unidades federativas, nos últimos quatro anos. O Rio de Janeiro lidera a lista, com um total de 297 processos concluídos, seguido por Distrito Federal (215), São Paulo (155), Amazonas (99) e Mato Grosso (84).

Obtenção de vantagens O relatório da CGU destaca que só no ano passado chegou a 521 o número de servidores penalizados por práticas ilícitas no exercício de suas funções, o que representa um aumento de 18,94% em relação a 2009.

Nos dois mandatos do ex-presidente Lula, o principal motivo das demissões provocadas pela CGU foi o uso indevido do cargo para obtenção de vantagens, com 33,48% do total, seguido por improbidade administrativa, recebimento de propinas e de “lesão aos cofres públicos”.

Para a coordenadora de Projetos da Transparência Brasil, Marina Atoji, os dados refletem a importância que a CGU alcançou nos últimos anos: – Não dá para dizer que os casos de corrupção aumentaram, já que houve melhora na estrutura de fiscalização – avalia. (L.O.C.) 746 é o número de ser vidores demitidos por corrupção na Previdência 297 é o número de ser vidores demitidos por corrupção no Rio.