Ataque mata 3 e fere dezenas na Faixa de Gaza

Rajada de mísseis atingiu Israel, que respondeu com bombardeio

Uma rajada de mísseis foi lançada da Faixa de Gaza em direção ao sul de Israel na noite desta quarta-feira (8), ferindo 11 pessoas, sendo que uma está em estado grave. Em resposta, o Exército Israelense realizou ataques aéreos a mais de 150 alvos militares, inclusive um "aparato terrorista subterrâneo", matando 3 pessoas, inclusive uma mulher grávida, e ferindo outras 12, segundo comunicado divulgado pelo exército israelense.

O texto explica que mais de 30 dos projéteis foram interceptados pelo sistema antimísseis israelense, enquanto a maior parte dos demais caíram em áreas abertas. Essa foi a primeira vez desde 2014 que mísseis atingem a cidade de Sderot, no sul de Israel.

"Estamos mais perto do que nunca de um operação de grande escala em Gaza. Mandaremos reforços ao sul", disse à ANSA uma fonte militar israelense. "Se for necessário, os residentes das comunidades da região serão evacuados. Haverá uma reunião para decidir sobre os reforços e a ativação do sistema antimísseis", completou.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, disse estar tendo "intensos contatos internacionais em todos os níveis para frear a escalada de Israel conterá o povo palestino", conforme declaração à agência local Wafa.

O governo israelense cancelou todos os acampamentos de verão para crianças na região depois dos ataques. Os moradores da região passaram a noite em albergues e devem permanecer nos locais pelos próximos dias. O Exército Israelense também anunciou que rotas de trem estão bloqueadas no trecho entre Sderot e Ashkelon e confirmaram o fechamento da praia de Zikim, que fica próxima ao território palestino.

Alon Davidi, prefeito de Sderot, pediu ao governo que suspenda as negociações indiretas em curso com o grupo armado palestino Hamas, que tem mediação da ONU e do Egito.