Israel anuncia que matou sete 'terroristas' que teriam tentado entrar no país pela Síria

Israel anunciou nesta quinta-feira que matou, em um ataque aéreo, sete pessoas, supostamente ligadas ao grupo Estado Islâmico (EI), que tentavam entrar em seu território a partir da Síria.

Este incidente coincidiu com uma operação do exército de Bashar Al-Assad para expulsar rebeldes e jihadistas do sul da Síria e recuperar o controle total dessa parte do país.

O progresso do regime de Damasco representa uma vantagem para Israel, afirmou nesta quinta-feira o ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman. "Do nosso ponto de vista, a situação volta a ser a do pré-guerra civil [em 2011], isto é, há um responsável e um poder central", disse Lieberman.

Os homens mortos, armados com fuzis, granadas e cintos de explosivos, foram detectados quando estavam a poucos metros das posições israelenses na parte das Colinas de Golã anexada por Israel, indicou o porta-voz do Exército Jonathan Conricus.

Israel tomou em 1967 a maior parte das Colinas do Golã, que anexou em 1981, algo não reconhecido pela comunidade internacional.

De acordo com o porta-voz israelense, não houve coordenação entre os Exércitos israelense, sírio ou russo.

"Um avião israelense atacou estes sete suspeitos com mísseis. Hoje (quinta-feira), durante as buscas no local, os soldados israelenses encontraram sete corpos, cinco fuzis AK-47, cintos de explosivos, e algo parecido com granadas", acrescentou.

De acordo com as primeiras informações, os homens eram membros do EI e estavam planejando se infiltrar em Israel para realizar ataques, segundo o porta-voz militar.

A ofensiva de Assad provocou uma dispersão dos membros de grupos afiliados ao EI nesta região.

- 'Missão terrorista' -

"Se tivessem sido capazes de continuar, teriam chegado na cerca de segurança israelense. Não parecia que estavam fugindo ou buscando refúgio", disse ele, acrescentando que essas pessoas estavam realizando uma "missão terrorista".

A Jordânia também anunciou nesta quinta-feira que matou um número desconhecido de jihadistas do EI que tentavam se aproximar da fronteira do país com a Síria.

De acordo com o Exército jordaniano, os jihadistas foram mortos na terça-feira à noite.

Paralelamente, confrontos eclodiram no lado sírio da fronteira entre as forças do regime e membros do EI na região da bacia de Yarmuk, na província de Deraa.

Israel está em alerta desde que, em 19 de junho, o regime sírio e seus aliados lançaram uma ofensiva para retomar as áreas sob controle rebelde nas províncias sírias de Deraa e Quneitra, que compreende as Colinas de Golã.

Por sua parte, a Rússia, aliada de Assad, irá implantar neste plateau "oito postos de observação da polícia militar", indicou o general Serguei Rudskoi.

Mais de sete anos após o início do conflito, o exército sírio conseguiu expulsar os rebeldes e jihadistas de regiões inteiras e controla cerca de dois terços do território.

mjs/jlr/iw/zm/pc/pb-jvb/mb/mr