Ultradireitista britânico é posto em liberdade condicional

A Justiça britânica decretou nesta quarta-feira (1º) a liberdade condicional de Tommy Robinson, fundador da antimuçulmana Liga de Defesa Inglesa (EDL), a qual despertou o interesse da Casa Branca de Donald Trump.

Um tribunal de Apelação londrino anulou a condenação de 13 meses de prisão de Robinson por desacato à Justiça e ordenou que se repita o julgamento. Até lá, ele ficará em liberdade condicional.

Stephen Yaxley-Lennon, seu verdadeiro nome, foi condenado em maio por ter transmitido imagens e comentários seus diante de um tribunal durante um julgamento. Atos dessa natureza estavam proibidos para velar pela imparcialidade do processo.

"Se concede a liberdade condicional ao apelante e se remete o caso de desacato à Corte de Leeds para que seja examinado de novo", disse Duncan Bennett, um dos três juízes que examinaram o caso.

Seus partidários haviam denunciado a condenação como um ataque à liberdade de expressão.

Seu caso chamou a atenção da "alt-right" (direita alternativa) americana e até de Donald Trump Jr., filho do presidente dos Estados Unidos, ou de Steve Bannon, ex-conselheiro estratégico de Donald Trump e que lhe deu seu apoio.