Oposição no Zimbábue reivindica vitória eleitoral

O opositor Nelson Chamisa ganhou as primeiras eleições do Zimbábue após 40 anos de governo de Robert Mugabe - declarou nesta terça-feira (31) Tandai Biti, um dos principais nomes do Movimento para a Mudança Democrática (MDC).

"Os resultados mostram, para além de qualquer dúvida, que ganhamos as eleições e que o próximo presidente do Zimbábue é Nelson Chamisa", declarou Biti, que é ex-ministro das Finanças.

Muito criticada pela oposição durante todo o processo eleitoral, a comissão eleitoral havia afirmado antes que "não houve qualquer fraude" nas eleições.

"Sejam quais forem nossos resultados, refletirão exatamente o que o povo decidiu", garantiu a presidente da comissão, Priscilla Chigumba.

Os dois principais candidatos da eleição presidencial no Zimbábue, o presidente Emmerson Mnangagwa e o opositor Nelson Chamisa, chegaram a celebrar sua vitória.

O presidente Emmerson Mnangagwa, líder do ZANU-PF e ex-braço direito de Mugabe, mostrou-se confiante.

"As informações obtidas por meus representantes no terreno são extremamente positivas", garantiu.

"Espero pacientemente os resultados, conforme a Constituição", acrescentou no Twitter, celebrando a alta taxa de participação.

Os resultados oficiais das eleições presidencial, legislativa e municipal ainda não foram anunciados. Os principais partidos na briga são o Zanu-PF, no poder desde 1980, e o Movimento para a Mudança Democrática (MDC).

As autoridades eleitorais consideraram que a participação era de 75% uma hora antes do fechamento dos colégios eleitorais na segunda-feira.

Os observadores da União Europeia, antes vetados, estiveram presentes pela primeira vez em anos e informaram que houve uma alta participação, mas advertiram para possíveis "deficiências" no processo.

A missão de observadores da União Europeia (UE) publicará um informe nesta quarta.

Com um universo eleitoral de 5,6 milhões de eleitores registrados, os resultados serão publicados em 4 de agosto.

Se nenhum candidato à Presidência chegar a 50%, será realizado um segundo turno em 8 de setembro.

Mugabe, de 94 anos, que foi deposto pelos militares em novembro, votou em Harare, acompanhado da mulher, Grace.

No domingo, deu uma surpreendente entrevista coletiva em sua mansão, estimulando o voto contra seu partido, o ZANU-PAF.

O sucessor de Mugabe prometeu mudanças e é franco favorito, beneficiando-se do apoio tácito dos militares, da lealdade da imprensa estatal e do controle dos recursos governamentais que tem seu partido.

ns-fa-ge/dar/an/pa/mb/tt