Vídeo revela Berlusconi reclamando de pressão de prostitutas

Um vídeo incluído em um dos processos contra Silvio Berlusconi por corrupção de testemunhas mostra o ex-primeiro-ministro da Itália reclamando da pressão sofrida das garotas de programa que participavam de festas em suas mansões.

Na gravação, feita de forma escondida com o celular de uma das jovens, Berlusconi está sentado em um sofá de sua vila em Arcore, nos arredores de Milão, e nega pedidos de suas acompanhantes por oportunidades em seus canais de televisão. O vídeo tem 27 minutos e foi visto pela ANSA com exclusividade.

"Eu só preciso de um contrato e basta, Papi, é tudo o que necessito. Você é o presidente do Conselho [de Ministros] da Itália, proprietário da Mediaset", diz uma das jovens, supostamente Marysthell Polanco, em referência ao grupo de mídia de Berlusconi.

O vídeo foi gravado em 2011, na época em que ele era primeiro-ministro da Itália. "Eu não sou presidente de nada na Mediaset, estou fora da Mediaset há 18 anos", rebateu o líder conservador, chamando os pedidos de "impossíveis".

"Só quero um contrato de pelo menos um ano, não de dois meses. Não te peço tanto, papi", acrescenta Polanco. E Berlusconi, aparentando cansaço, responde: "Você pede coisas impossíveis, que não posso fazer, você deve considerar que a televisão não é minha".

Em seguida, a garota reclama que não consegue trabalho por causa do inquérito contra Berlusconi por prostituição de menores. Outra jovem, em determinado momento, diz: "Eu te juro que quero assinar alguma coisa até amanhã". "Se trabalhamos amanhã, te ajudamos, te damos uma mão em outras coisas", reforça Polanco.

Ruby ter

Berlusconi é alvo de inquéritos em sete cidades italianas por suspeita de ter pagado milhões de euros às jovens que participavam de suas festas para elas mentirem no processo "Ruby", no qual o ex-premier acabou absolvido das acusações de prostituição de menores e abuso de poder.

Segundo as denúncias, Berlusconi queria que as garotas se referissem às noitadas como "jantares elegantes". O ex-primeiro-ministro já é réu no chamado "Ruby ter" em Roma e Siena e foi denunciado em Turim, mas as investigações ainda correm em Pescara, Treviso, Monza e Milão - o vídeo faz parte do inquérito na capital da Lombardia.

Os investigadores acreditam que Berlusconi tenha gastado mais de 10 milhões de euros entre 2010 e 2014 para manipular testemunhas. Recentemente, o ex-premier recuperou seus direitos políticos, após ter sido condenado, em 2013, a um ano de realização de serviços sociais por fraude fiscal.