Líderes chegam a acordo sobre imigração na UE e vão dar apoio à Itália

Após nove horas de negociações, os líderes da União Europeia aceitaram ajudar os países que se encontram nas fronteiras do continente, sobretudo a Itália, através da redistribuição de parte dos imigrantes resgatados no Mediterrâneo - desde que eles sejam detidos.

Em paralelo, a UE disse que vai criar centros de recepção nos países do norte da África, onde a maioria dos imigrantes resgatados no mar seria enviada de volta. Os centros, chamados de "plataformas de desembarque", serão administrados em conjunto com agências das Nações Unidas, que vão garantir a segurança deles enquanto aguardam a repatriação ou o reassentamento para os países europeus.

O esforço visa reduzir o fluxo de imigrantes no continente, que tem impulsionado o surgimento e fortalecimento de partidos populistas, sobretudo na Alemanha, em que a chanceler Angela Merkel tem sofrido forte pressão.

"A Itália não está mais sozinha", disse o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte ao fim da reunião. O presidente da França, Emmanuel Macron, que desempenho papel fundamental na mediação do acordo, disse que o pacto foi um marco importante.

MAIS sobre o assunto: 

>> Pontos-chave do acordo migratório da UE

>> MSF denuncia acordo da UE por 'bloqueio' de imigrantes

>> 'Muito cedo' para celebrar acordo migratório, diz presidente do Conselho Europeu

>> Portos italianos fechados por todo verão às ONGs, anuncia ministro do Interior

>> Português Antonio Vitorino assume agência de migrações da ONU