Google se compromete a não usar inteligência artificial para armas

O Google anunciou nesta quinta-feira (7) que não vai desenvolver inteligência artificial para armas ou para "causar ou facilitar diretamente lesões em pessoas", ao apresentar um conjunto de princípios para o uso desta tecnologia.

"Vamos continuar nosso trabalho com o governo e as forças armadas em muitas outras áreas", escreveu o diretor (CEO) da empresa, Sundar Pichai, em meio a pressões por um contrato com o setor militar que a gigante da tecnologia disse na semana passada que não será renovado.

jc-rl/jt/ll/mvv