Brasileira recém-nascida sobrevive após ser enterrada viva

Uma índia nascida no estado do Mato Grosso sobreviveu após passar sete horas debaixo da terra, ao ser enterrada viva por sua família, informaram nesta quinta-feira (7) procuradores que investigam o caso.

Na terça-feira, uma enfermeira avisou às autoridades que a bebê havia sido enterrada pouco depois de nascer, na própria terça, no Parque Nacional Xingu.

A polícia divulgou um vídeo no qual é possível ver os agentes cavando, durante a noite, um pequeno buraco de onde tiram o bebê, ainda com o cordão umbilical.

A avó da menina, da etnia Kamayura, foi detida, informou o procurador Paulo Roberto do Prado.

"Temos que esclarecer se foi tentativa de assassinato, ou se acharam que estava morta", disse à AFP.

Apesar de ter passado sete horas debaixo da terra, "a informação que nós temos é que a criança está bem", acrescentou Do Prado.

A recém-nascida foi levada na quarta-feira para Cuiabá, capital do Mato Grosso, onde foi colocada em uma Unidade de Terapia Intensiva neonatal.

A família da menina foi interrogada com a participação de um antropólogo, de um psicólogo e de representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Um dos objetivos era esclarecer se as "razões antropológicas" motivaram a ação, assinalou Do Prado.

A família explicou à Polícia que a menina caiu de cabeça logo que sua mãe deu à luz no banheiro. No entanto, as autoridades suspeitam que não seja verdade.

"Pelo fato do pai não assumir a criança e a mãe ter apenas 15 anos, há suspeitas de que tenham tentado matar a recém-nascida", opinou a Polícia.