Pai de Renzi é processado por fraude fiscal

Tiziano teria recebido valor de contrato, mas não fez o trabalho

A procuradoria de Florença, na Itália, pediu nesta sexta-feira (11) o indiciamento do pai do ex-primeiro-ministro Matteo Renzi, Tiziano, e sua esposa, Laura Bovoli, acusados de emissão de faturas falsas em suas empresas. De acordo com a investigação, o processo foi aberto pelo empresário Luigi Dagostino, de Puglia, alegando ser alvo de fraude.

No caso, as empresas de Renzi foram contratadas para realizar estudos de viabilidade para o centro comercial "The Mall". No entanto, segundo a investigação, tais análises não foram feitas, mas a empresa recebeu o pagamento acordado no contrato. Uma das faturas equivale ao valor de 20 mil euros, enquanto que a outra é de 40 mil euros.

O pai do ex-premier chegou a ser interrogado pela polícia no dia 22 de março. Logo depois, Renzi e Bovoli receberam uma notificação de que a investigação terminara em 18 de abril. "Eu grito minha inocência", disse ele, exigindo ser julgado para comprovar sua inocência.