Sem menção direta, Macron acusa Trump de querer 'decidir' pelos europeus

O presidente francês, Emmanuel Macron, criticou nesta quinta-feira (10) implicitamente seu colega americano, Donald Trump, por querer "decidir" o futuro dos europeus, em referência à retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear iraniano.

"Se aceitarmos que outras grandes potências, incluindo as aliadas, as amigas nas horas mais duras da nossa história, se ponham em situação de decidir por nós nossa diplomacia, nossa segurança, às vezes, fazendo-nos correr grandes riscos, então já não somos soberanos", disse Macron, ao receber o Prêmio europeu Carlos Magno em Aachen, na Alemanha.

"Decidimos construir a paz e a estabilidade no Oriente Médio (...) Outras potências, tão soberanas quanto nós, decidiram não respeitar sua palavra. Temos, por isso, de renunciar à nossa própria escolha?", questionou.

As declarações fazem referência a Donald Trump, com quem Macron mantém uma boa relação pessoal, como se viu em seu recente encontro em Washington.

>> Governo dos EUA apoia direito de defesa de Israel e critica provocação do Irã

>> Bombardeios israelenses marcam 'nova etapa' na guerra, segundo Damasco

>> Israel ataca alvos do Irã na Síria e mata mais de 20