Israel lança dezenas de mísseis contra bases militares na Síria

Israel atacou ao amanhecer desta quinta-feira bases militares e um depósito de armas na Síria, onde a defesa antiaérea afirma ter derrubado dezenas de mísseis, horas após um bombardeio de forças iranianas no território sírio contra posições do Exército hebreu nas colinas de Golã.

Segundo a agência oficial de notícias Sana, "dezenas de mísseis foram derrubados no céu sírio pelos sistemas de defesa antiaérea", mas alguns atingiram bases militares e um depósito de armas.

De acordo com a Sana, o ataque também visou unidades de defensa antiaérea e destruiu um radar.

Fortes explosões sacudiram ao amanhecer desta quinta-feira a região de Damasco, constatou a AFP.

A Sana destacou que os "mísseis israelenses foram interceptados pela defesa antiaérea e derrubados um após outro".

A TV estatal síria mostrou imagens "ao vivo" de disparos iluminando o céu de Damasco e de vários mísseis destruídos pelos sistemas antiaéreos.

O ataque israelense ocorreu após forças iranianas na Síria lançarem, na madrugada de quinta-feira, cerca de vinte projéteis e foguetes contra posições do Exército hebreu nas colinas de Golã.

Segundo um oficial israelense, o ataque iraniano ocorreu logo após a meia-noite (18H00 Brasília) a partir de posições na Síria das Brigadas Al-Qods contra as linhas do Exército hebreu em Golã.

Em resposta, "mísseis israelenses visaram posições do regime [sírio] e de seus aliados perto da cidade de Baas, no setor de Kuneitra", na parte não ocupada por Israel em Golã, revelou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), destacando que "por enquanto não há que lamentar vítimas".

"Aviões israelenses vasculharam paralelamente o espaço aéreo de Golã ocupada", acrescentou o OSDH.

Na noite de terça, bombardeios atribuídos a Israel apontaram contra um depósito de armas dos Guardiães da Revolução, o Exército de elite iraniano, no setor de Kiswé, ao sul de Damasco, segundo o OSDH.

O bombardeio noturno perto de Damasco matou 15 combatentes pró-regime estrangeiros, 8 dos quais iranianos, segundo a mesma fonte.

Os fatos ocorreram em um contexto de alta tensão entre Israel e Irã em torno do conflito na Síria, após várias operações atribuídas ao exército israelense contra interesses iranianos na Síria.

rim/mvv/lr