Militarização do Mar da China Meridional terá consequências, diz Casa Branca

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, afirmou nesta quinta-feira que "haverá consequências para a militarização pela China do Mar da China Meridional". Sarah respondia a perguntas sobre relatos da emissora americana CNBC de que Pequim instalou sistemas de mísseis de cruzeiro e mísseis terra-ar nessa região marítima, em uma área a oeste das Filipinas.

Mais cedo, o assunto também havia sido comentado pela porta-voz do Pentágono, Dana White. "Continuaremos a (...) garantir que os chineses entendam que não podem ser hostis e que o Pacífico tem grande fluxo comercial. É de interesse deles que haja navegação livre por lá", afirmou.

Sarah disse também que não há previsão de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vá se reunir com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, antes do encontro com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. "Mas o presidente Trump está aberto a se encontrar com o presidente russo", acrescentou.

Na coletiva de imprensa, a porta-voz admitiu ainda que a Casa Branca "não pode" confirmar a veracidade dos relatos de que a Coreia do Norte teria libertado três cidadãos americanos detidos no país, mas que, se confirmado, o ato seria visto pelos EUA como um gesto de "boa vontade" antes da cúpula planejada entre Trump e Kim. (Com informações da Dow Jones Newswires)