Vizcarra assume como presidente do Peru após saída abrupta de PPK

Martín Vizcarra assume nesta sexta-feira a presidência do Peru com o desafio de acabar com a crise política que resultou na saída abrupta de seu antecessor, Pedro Pablo Kuczynski.

Antes de dar posse a Vizcarra, primeiro vice-presidente e embaixador no Canadá, o Congresso votará se aceita a renúncia de Kuczynzki, conhecido como PPK, ou se vota sua destituição, pela acusação de ter mentido sobre seus vínculos com a empresa brasileira Odebrecht.

Existe um precedente: no ano 200, o Congresso destituiu Alberto Fujimori depois que ele enviou a carta de renúncia à presidência por fax do Japão, para onde fugiu em meio a um escândalo de corrupção.

"Os senhores porta-vozes (das bancadas) estão revisando a proposta de resolução final que será levada à votação a partir das 10h00 locais" (12h00 de Brasília), afirmou o presidente do Congresso, o opositor Luis Galarreta.

O Congresso debateu na quinta-feira a renúncia de Kuczynski em uma sessão que durou seis horas e durante a qual vários parlamentares chamaram PPK de "corrupto" e o criticaram pela falta de uma "autocrítica" ao anunciar a renúncia na quarta-feira.

Vizcarra comparecerá nesta sexta-feira ao Palácio de Torre Tagle, sede da Chancelaria, para seguir depois ao Congresso e tomar posse, de acordo com o protocolo.

O novo presidente, que acaba de completar 55 anos, retornou do Canadá durante a madrugada. 

Martín Vizcarra vai completar o atual mandato, que termina em julho de 2021.