Premier da Eslovênia renuncia

O primeiro-ministro da Eslovênia, Miro Cerar, apresentou sua renúncia na noite desta quarta-feira, após a justiça invalidar um referendo do governo no qual a população aprovou um importante projeto de  infraestrutura. 

"As forças do passado não nos permitem trabalhar para as gerações futuras [...] Apresento minha demissão ao Parlamento", anunciou o premier em uma inesperada entrevista coletiva, após a Corte Constitucional invalidar um referendo sobre a remodelação do porto de Kober, na costa adriática. 

Através da consulta, os eleitores eslovenos aprovaram a construção de uma nova ferrovia com destino ao  único grande porto comercial do país, de importância estratégica. 

Cerar esperava iniciar as obras, orçadas em 1 bilhão de euros, antes do verão (boreal), mas a Corte Constitucional considerou que a campanha a favor da construção da ferrovia foi financiada com dinheiro público. 

O premier já enfrentava forte pressão social, principalmente por parte dos funcionários públicos, com várias greves desde o início do ano.

A anulação do referendo, segundo Cerar, "foi a gota d'água" na coalizão governamental composta por três partidos. 

Cerar considerou que o chefe de Estado, Borut Pahor, deverá decidir agora se convoca ou não eleições legislativas antecipadas.

No poder desde 2014, Miro Cerar, um respeitado advogado de 54 anos, surpreendeu ao vencer as  legislativas à frente de um partido criado poucos meses após ingressar na política.