Estado Islâmico pede que muçulmanos voltem aos redutos no Afeganistão

O grupo Estado Islâmico (EI) fez um apelo a favor da imigração dos muçulmanos para seus redutos nas províncias afegãs de Jawzjan (norte) e Nangahar (leste).

Uma gravação de 25 minutos, publicada no dia 4 de março pelo Estado Islâmico - Província de Khorasan, promove os redutos do EI no norte e leste do Afeganistão como uma "opção para a imigração".

O vídeo foi transmitido à AFP pela página Site Intelligence.

"Muçulmanos de todo o mundo! Imigrem para Khorasan! Caso não têm condições de imigrar para o Iraque ou Al-Sham (Síria) venham para Khorasan, porque é seu dever sair de uma terra de infiéis", afirma um dos combatentes.

O nome Khorasan faz referência a uma região histórica que inclui partes do atual Afeganistão, Paquistão e outros países.

O narrador do vídeo fala em árabe e os combatentes em dari (a variedade local do persa), em pashtun e uzbeque.

O vídeo critica os talibãs, que "não sabem impedir que a população cometa pecados, cobram impostos e possuem laboratórios de heroína".

O EI estabeleceu presença no Afeganistão no início de 2015, principalmente no leste, e desde o verão de 2017 está em vários distritos da província de Jawzjan.

Os dois movimentos insurgentes cooperaram durante alguns momentos, como em agosto de 2017 em Sar-e Pul contra um distrito de maioria xiita. Mas na maior parte do tempo travam batalhas e o EI recruta combatentes entre os talibãs.

"Até agora convocavam os muçulmanos que vivem em Khorasan a viajar às regiões sob seu controle", destaca Borhan Osman, analista do International Crisis Group. 

"Este apelo é algo inédito que terá mais repercussão para seus autores", considera o analista.

A presença de estrangeiros entre os combatentes do EI no Afeganistão já foi comprovada, especialmente procedentes do Paquistão e da Ásia Central, assim como da Chechênia.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais