PD vive momento crítico e Calenda anuncia filiação

O ministro do Desenvolvimento Econômico da Itália, Carlo Calenda, anunciou nesta terça-feira (6) que se filiará ao Partido Democrático (PD), legenda que atualmente está no governo com o primeiro-ministro Paolo Gentiloni, mas que foi a maior derrotada nas eleições legislativas do último domingo.

"Não precisa criar um outro partido, mas sim, trabalhar para arrumar o que tem. Amanhã vou me filiar ao PD", anunciou o ministro em seu perfil oficial no Twitter. "Quero apenas colaborar, porque o PD é fundamental para a Itália", ressaltou. O premier italiano, Paolo Gentiloni, celebrou a notícia.

"Obrigado, Carlo", respondeu, também pelas redes sociais. "A sua escolha foi certa, obrigado, Carlo Calenda", disse, por sua vez, o vice-secretário do PD, Maurizio Martina. O esquerdista PD enfrenta uma fase delicada devido ao resultado obtido nas eleições: apenas 18% dos votos, contra 33% do opositor antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S) e 36% da coalizão de centro-direita puxada pelo partido ultranacionalista Liga Norte.

Com isso, o secretário do partido e ex-primeiro-ministro, Matteo Renzi, anunciou ontem sua renúncia. "Vou esquiar", ironizou Renzi, contando que não fará parte da delegação do PD que participará das negociações para a formação de um novo governo, provavelmente com o bloco de centro-direita. "[Agora] somos a oposição. Não seremos muletas para os extremistas", criticou.