EUA pede para talibãs aceitarem oferta do presidente afegão

Os Estados Unidos pediram, nesta segunda-feira, 5, para os talibãs aceitarem a mão estendida pelo presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, que propôs um processo de paz que respeite sua dignidade, segundo uma porta-voz do Departamento de Estado americano.

Durante o Processo de Cabul, uma conferência internacional organizada na semana passada, o chefe de Estado pediu uma negociação que leve ao fim da violência e ao reconhecimento de um papel institucional para os talibãs enquanto partido político. 

O governo afegão exigiu até agora aos insurgentes que reconheçam a Constituição de 2004, que protege os direitos das mulheres e das minorias, mas o presidente Ghani se declarou disposto a fazer emendas a ela. 

"Escutei (o presidente) oferecer aos talibãs um processo digno, que não é uma rendição", comentou nesta segunda Alice Wells, alta funcionária do Departamento de Estado, ao voltar de Cabul.

"O Processo de Cabul foi realmente um acontecimento histórico", apesar da ausência dos talibãs, indicou, e acrescentou que "o governo afegão escutou atentamente aos talibãs e respondeu" às suas expectativas.

Em uma primeira reação no Twitter, o porta-voz dos insurgentes rejeitou, na semana passada, a proposta de Ghani, que considerou, ao contrário de Wells, como um convide à "rendição".