Síria: sobe para 817 o número de civis mortos em operações de coalizão liderada pelos EUA

Mais de 800 civis foram mortos na Síria e no Iraque como resultado da campanha de mais de três anos da coalizão liderada pelos EUA para derrotar o grupo terrorista Daesh, segundo afirmou nesta quinta-feira (28), em relatório, a Força-Tarefa Conjunta (CJTF-OIR, na sigla em inglês) responsável pelas operações.

A coalizão norte-americana de mais de 70 membros está realizando operações militares contra o grupo terrorista Estado Islâmico na Síria e no Iraque. As atividades da coalizão no Iraque são conduzidas em cooperação com autoridades iraquianas, mas não são autorizadas pelo governo do presidente Bashar Assad em território sírio ou pelo Conselho de Segurança da ONU.

"O CJTF-OIR avalia que pelo menos 817 civis foram mortos involuntariamente por ataques da coalizão desde o início da operação", diz o relatório. "Um total de 603 relatórios ainda estão abertos", continua.

As últimas estatísticas abrangem todas as vítimas civis desde o início da campanha, entre agosto de 2014 e novembro de 2017.

A coalizão baseou suas conclusões em um relatório sobre uma revisão de 1.799 relatórios de possíveis baixas civis em 28.562 ações da coalizão. Dentre  as 1.799 possíveis vítimas, 208 foram consideradas pelo comando dos EUA.

"Embora o aumento da segurança tenha resultado em números mais baixos de ações da coalizão em novembro e dezembro, o Daesh demonstrou sua capacidade e sua intenção de se reorganizar e atacar o povo iraquiano e sírio", afirmou. "A coalizão continuará a apoiar as operações dos nossos parceiros para derrotar o Daesh e evitar seu ressurgimento".

Em novembro de 2017, 11 civis foram mortos em ações de coalizão, com base em 9 dos 101 relatórios de acidentes que as autoridades dos EUA consideraram reais, de acordo com o relatório.

Sputnik