Catalunha anuncia recurso contra intervenção espanhola

Por outro lado, Madri começou a reduzir força policial na região

A assembleia permanente do Parlamento da Catalunha, que garante a transição entre a legislatura anterior e aquela eleita em 21 de dezembro, aprovou nesta quarta-feira (27) a apresentação de um recurso no Tribunal Constitucional contra a intervenção do governo da Espanha na comunidade autônoma.

A medida recebeu apoio dos partidos separatistas do Parlamento regional, com exceção da legenda de extrema esquerda Candidatura de Unidade Popular (CUP), que sequer reconhece a autoridade da Corte Constitucional.

A intervenção na Catalunha é regulada pelo artigo 155 da Constituição, que permite ao governo central suspender a autonomia de comunidades "rebeldes". No entanto, o recurso chega no momento em que o gabinete do primeiro-ministro Mariano Rajoy já começa a desmontar seu aparato na região.

Nesta quarta-feira, cerca de 5 mil homens da Polícia Nacional e da Guarda Civil enviados para reprimir o plebiscito separatista de 1º de outubro voltaram para suas bases. Até 30 de dezembro, os dois navios ancorados em Barcelona para hospedar os agentes também partirão.

A administração catalã deve permanecer sob intervenção espanhola até que os partidos vencedores das eleições regionais de 21 de dezembro formem um novo gabinete. As três principais legendas separatistas conquistaram a maioria no Parlamento regional, mas ainda não chegaram a um acordo sobre quem deve liderar o governo.