Ex-líder catalão diz que há 'alternativa' à independência

Puigdemont fala em fechar acordo negociado com governo espanhol

O ex-presidente da Catalunha Carles Puigdemont, que vive em uma espécie de "exílio" em Bruxelas, afirmou nesta segunda-feira (13) que há uma "alternativa" para a independência de Madri.

Segundo uma entrevista ao jornal belga "Le Soir", Puigdemont declarou que "há uma outra solução" e que ela passa por um acordo com o governo de Madri.

"É sempre possível um acordo. São 30 anos em que trabalho para obter um outro tipo de relação entre Catalunha e Espanha. Nós trabalhamos muito, mas a chegada de [José Maria] Aznar [ex-premier] paralisou esse percurso. Agora temos que sentar à mesa das negociações", disse o ex-presidente catalão.

Na entrevista, Puigdemont voltou a criticar a posição da União Europeia na crise espanhola e disse que os europeus deveriam fazer uma análise como fizeram com a Polônia e a Hungria.

"Salta aos olhos que o governo espanhol não respeitou a carta do documentos fundamentais", acrescentou sobre os episódios de violência registrados na Catalunha no dia do referendo separatista.

- Voto do dia 21 de dezembro: 

Com a dissolução do governo da Catalunha, a Espanha anunciou a convocação de novas eleições gerais para a região no dia 21 de dezembro.

No entanto, o processo de declaração de independência causou um racha entre os partidos pró-separação, que se apresentarão em três listas diferentes no pleito após governarem juntos nos últimos dois anos.

Haverá a lista do ERC, liderada pelo ex-vice-presidente Oriol Junqueras, preso em Madri, enquanto Puigdemont será o número 1 da "Lista do Presidente" criada ao redor do Pdecat. Já a esquerda CUP também correrá sozinha.