Especialista minimiza risco de ataque norte-coreano durante Olimpíadas de Inverno

Os preparativos para os próximos 23º Jogos Olímpicos em Pyeongchang, Coreia do Sul, estão cercados pelas preocupações crescentes de segurança, já que alguns países advertiram que não enviariam suas equipes para o evento se julgarem que a situação representa uma ameaça.

No entanto, o consultor de segurança e contra-terrorismo David Lowe disse à Radio Sputnik que embora tais preocupações sejam compreensíveis, dada a proximidade do local dos Jogos Olímpicos com a fronteira norte-coreana e as atuais tensões entre Pyongyang e Washington, ele ficaria "realmente surpreendido" se a Coreia do Norte  tentasse qualquer forma de ataque durante o evento.

"Eu acho que a grande preocupação será com os indivíduos, um tipo de ataque terrorista será a principal preocupação", afirmou.

Lowe apontou que, embora a Coreia do Norte seja certamente capaz de realizar algum tipo de ação provocativa durante as Olimpíadas, não há interesse por parte Pyongyang de fazer algo assim.

"Se houve alguma ação autorizada pela Coreia do Norte nesses jogos, você poderia argumentar que basicamente eles declarariam agressão não apenas contra a Coreia do Sul, mas contra a maioria dos estados dentro da mundo", disse ele, acrescentando que tal movimento poderia resultar na perda dos poucos países amigos que Pyongyang ainda tem na conta.

Ao mesmo tempo, Lowe acrescentou, a participação da Coreia do Norte no evento pode ajudar a desarmar as tensões na península.

"Se existe alguma verdade sobre o esporte é que ele pode a unir as pessoas. E espero que a Coreia do Norte envie alguns atletas e participe do espírito olímpico, pode ajudar a diminuir [tensões]. Mas você sabe, é muito difícil — você está lidando com a Coreia do Norte e é bastante difícil entender quais são seus motivos. No fim das contas, [o país] pode ser bastante imprevisível".

>> Sputnik